Especialista brasileiro rege a produção

À frente da Orquestra Sinfônica Municipal na interpretação de Orfeu e Eurídice, de Gluck, estará o maestro Nicolau de Figueiredo. Nascido em São Paulo, ele passou a última década na França, onde foi professor do Conservatório de Paris. Especialista no repertório clássico e barroco, além de seus próprios discos, participou da lendária gravação de As Bodas de Fígaro, de Mozart, sob regência de Renè Jacobs. No ano passado, voltou ao Brasil. E, a partir de hoje, comandará um elenco que reúne nomes principais da nova geração do canto lírico brasileiro: a contralto Kismara Pessatti (Orfeu) e as soprano Gabriela Pace (Eurídice) e

O Estado de S.Paulo

27 Outubro 2012 | 03h14

Edna D'Oliveira (Amor).

Orfeu e Eurídice é a partitura mais célebre de Gluck. Pertence a um gênero chamado "azione teatrale" - ou seja, é uma ópera com tema retirado da mitologia, com a presença de coro e números de balé. Com ela, no entanto, Gluck atinge uma maturidade narrativa que marcaria autores de gerações seguintes, Mozart e Richard Wagner entre eles. O balé e os números corais estão ali, mas o compositor os articula e faz deles mais do que fogos de artifício superficiais - eles se movem com o objetivo central de explorar de modo coeso todo o drama contido na história. / JOÃO LUIZ SAMPAIO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.