Especial recria o dia que não existiu

Na época, o presidente da Câmara era o então deputado José Bonifácio, mas quem aparece no vídeo de Paulo Markun é Tonico Pereira, figura destacada do teatro, cinema e TV nacionais. A deputada Júlia Steinbruch ressurge na pele de Monique Lafond, a Emmanuelle tropical, com incursões pela pornochanchada, na época áurea da Boca do Lixo, e também pelo cinema mais nobre de Walter Hugo Khouri. Essas participações de atores são fundamentais em AI-5, o Dia Que não Existiu, documentário que será exibido hoje, às 20h30, para convidados, na Pinacoteca do Estado. Dia 31, às 20h30, irá ao ar, simultaneamente, na TV Cultura e na TV Câmara.Logo no começo, a responsável pelo setor de documentação da Câmara afirma que toda a atividade parlamentar está documentada e isso desde o século 19. Mas não há registro daquele dia de dezembro de 1968. A sessão histórica da votação do pedido de licença do deputado Márcio Moreira Alves, que foi o estopim para a decretação do Ato Institucional nº 5, foi expurgada dos anais da casa. Ela mostra as folhas em branco, relativas àquele dia. Foi o que motivou a realização do documentário.AI-5 - O Dia Que não Existiu é uma realização do Núcleo de Documentários da TV Cultura, dirigido por Mário Bognetti. Nos últimos dois anos, o núcleo produziu 120 documentários, num total de 60 horas de especial por ano. O núcleo é integrado ao Departamento de Jornalismo e a idéia é enfocar momentos significativos da história, e não apenas do País. AI-5 nasceu de uma conversa do jornalista Paulo Markun, que assina a direção do especial, com o diretor de jornalismo Marco Antônio Coelho Filho.AI-5 - O Dia Que não Existiu. Documentário inédito, de Paulo Markun. Sábado, às 21 horas. Cultura.Leia mais

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.