Espanha publica seleção com cartas de Jack, o Estripador

Javier Terrisse produz livro com documentos que reconstroem diferentes crimes atribuídos ao assassino

Efe,

09 de maio de 2008 | 12h56

Cento e vinte anos depois de cometer seu primeiro crime em Londres, a Espanha publicou nesta sexta-feira, 9, uma seleção de cartas supostamente escritas pelo célebre serial killer Jack, o Estripador.  Javier Terrisse é o autor de Obra Seleta, que inclui um grupo de cartas que reconstroem com detalhes os diferentes crimes atribuídos ao misterioso assassino. Carta intitulada "From Hell". Foto: Efe Egiptólogo e especialista em Jack, o Estripador, Terrisse viveu durante seis meses no bairro londrino de Whitechapel, onde apareceram mortas várias prostitutas em 1888. O escritor consultou todo o tipo de arquivo para documentar os crimes que aterrorizaram a população na época. Em Obra Seleta, Terrisse e o escritor Gonzalo Torné - que foi encarregado dos aspectos literários - trataram de reproduzir a atmosfera que envolveu os crimes, as lutas internas da polícia e seus métodos, as vidas das prostitutas assassinadas e o ambiente de Londres. Desde a identidade do criminoso até o número real de vítimas e a causa da morte, existem numerosos interrogatórios abertos que tratam dos assassinatos do Estripador. O número de cartas associadas com o caso passam de cem, e "a grande maioria foi escrita durante o outono de 1888", afirma o livro. Os documentos foram relatados de diversas formas - com tinta, sangue, algo parecido com a clara de um ovo - e a maioria está assinada, em diferentes caligrafias, por Jack, o Estripador.  Da seleção publicada, a única carta que quase não deixa dúvidas sobre sua autenticidade é a famosa "From Hell" (Do Inferno, em tradução livre), pois foi entregue em um pacote junto com a metade de um rim que logo foi identificado "com quase total certeza" como sendo de Catharine Eddowes, assassinada em 30 de setembro. Os "estripadorólogos" tradicionais não dão importância para estas cartas, porém Terrisse e Torne acreditam que elas têm "um valor incalculável" para aprofundar o caso e são "nossos únicos caminhos para a realidade do passado". A publicação de Obra Seleta coincide com a exposição que será inaugurada no próximo 15 de maio em Londres, no Museu dos Docklands, onde se mostrarão muitos documentos policiais utilizados também pelos autores do livro. Jack, o Estripador foi um "maestro da ocultação" e por isso "existem centenas de hipóteses flutuando por aí", afirma Torné, que, como Terrisse, confia que "o caso pode se resolver" algum dia.

Tudo o que sabemos sobre:
Jack, o Estripador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.