Espanha consternada com morte de Cela

A Espanha inteira lamenta a morte do prêmio Nobel de Literatura de 1989, Camilo José Cela, ocorrida na manhã desta quinta-feira em uma clínica de Madrid, com conseqüência de uma parada cárdio-respiratória. Sua morte provocou reações de pesar em toda sociedade espanhola, desde os representantes do governo até os intelectuais. Os reis da Espanha, Juan Carlos e Sofia, compareceram ao velório do escritor esta tarde, enviaram pela manhã um telegrama de pêsames à sua família. Além do Nobel de Literatura, Cela conquistou todos os principais prêmios literários da Espanha, como o Prêmio Príncipe de Astúrias das Letras e o Prêmio Cervantes.Mas, sem dúvida, a maior consternação foi expressada por seus pares na Real Academia da Língua Espanhola (RAE) que perdeu hoje um de seus pilares. Com a morte de Cela foi perdido ?o valor mais alto da literatura do século 20?, disse o diretor da ERA, Víctor García de la Concha, que qualificou o escritor de ?referente da cultura espanhola do pós-guerra".Pilar del Castillo, ministra da Cultura na Espanha - "Nós provavelmente perdemos o escritor mais universal que a Espanha teve na segunda metade do século 20?.Marina Castaño (viúva de Camilo José Cela) ? Garantiu que difundirá a obra do escritor por todo o mundo através da fundação que leva seu nome: ?Cuidarei para que seja um centro cultural próspero, onde as pessoas estudem sua obra, se empregnem de cultura e difundam toda sua obra não somente na Galícia e na Espanha, mas em todo o mundo?.Francisco Umbral, escritor - "Perdi um amigo e um mestre. Ele foi um escritor excepcional, uma dos grandes do século 20 e não só do 20, mas um dos grande escritores espanhóis de todas as épocas. Desaparece o último grande escritor espanhol, criador de fábulas, de linguagem, de palavras, com uma prodigiosa capacidade de expressão´´.Luis María Anson, jornalista e acadêmico - "Cela ocupa um lugar referencial, porque antes de A Colméia se escrevia romances de uma maneira e depois, quando ele se alinhou com a vanguarda da criação romancista internacional, mudou a maneira de se escrever romances.José Hierro, poeta ganhador do Prêmio Cervantes ? ?Ele colocou o romance em seu lugar no pós-guerra. Jon Juaristi, director do Instituto Cervantes - É uma perda especialmente sensível e irreparável. Ele era o grande escritor do século 20, muito versátil, que mantinha sua privacidade, o que era remarcável".Leopoldo Calvo Sotelo, ex-presidente do governo espanhol (81-82) - "Sinto uma enorme tristeza, que é o que sempre sinto quando se vai um amigo, mas sobretudo hoje, tenho um sentimento de gratidão para com ele assim como todos os espanhóis que amam a literatura?Esperanza Aguirre, presidenta do senado espanhol ? ?É comum destacar que graças a sua obra, que perdurará no tempo, o escritor que será enterrado na sexta-feira, em sua cidade natal Iria Flavia, não morrerá jamais. Sua imensa personalidade e sua obra literária perdurarão na memória de todos?.Luis Alberto de Cuenca, secretario de Estado de Cultura - "Com o Nobel, sua obra passou a ser reconhecida em uma dimensão universal. Obra que é afinal o que permanece de um criador, mais que seu testamento é seu testemunho?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.