Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Escuro, de Leonardo Moreira, é premiada

O espetáculo Escuro, dirigido e escrito por Leonardo Moreira, foi o grande vencedor da 23.ª edição do Prêmio Shell de São Paulo, que anunciou seus ganhadores nesta terça à noite. A peça, que liderava o número de indicações, com cinco menções, saiu da festa com três troféus: autor, figurino e cenário. "Agradeço o olhar do júri voltado para um teatro tão jovem", disse o dramaturgo de 28 anos.

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2011 | 00h00

Conduzida pela atriz Beth Goulart, a cerimônia foi pautada pelo encontro de diversas gerações do teatro paulistano. No quesito melhor direção, o escolhido pelos jurados foi Rodolfo García Vázquez, do grupo Os Satyros. Único indicado a concorrer por duas montagens, o diretor foi lembrado por seu trabalho em Roberto Zucco, e dedicou a vitória a Alberto Guzik - ex-crítico do Jornal da Tarde, escritor e ator dos Satyros, morto em 2010. Muito aplaudido, o discurso de Vázquez também ficou marcado por um tom de manifesto, que despontou em outras falas da cerimônia. "Foi um ano difícil para nós. Tivemos patrocínios negados nas três esferas: federal, estadual e municipal."

Vencedor da categoria especial, o grupo Dolores Boca Aberta Mecatrônica protagonizou uma cena de protesto de inclinação mais radical. Na hora dos agradecimentos, seus atores se sujaram de tinta negra e encamparam um discurso contra as empresas petrolíferas, menção indireta à empresa que promove a premiação. Já a dificuldade de se fazer teatro no País e a problemática das políticas de financiamento às artes cênicas surgiram nos depoimentos de Bete Dorgam, melhor atriz por seu desempenho em Casting, e de Luciano Chirolli, premiado como melhor ator por As Três Velhas, espetáculo dirigido por Maria Alice Vergueiro. "Trabalho com Maria Alice há 20 anos e foi a primeira vez, nos seus 50 anos de carreira, que ela teve um patrocínio."

Homenageada especial desta edição, Maria Alice Vergueiro conduziu o momento de maior emoção da noite. Sua trajetória, marcada pela fundação do grupo Teatro Ornitorrinco, em 1977, e pelas grandes atuações ao lado de diretores como Zé Celso e Gerald Thomas, foi rememorada em uma projeção. De cadeira de rodas, a atriz e diretora subiu ao palco para um discurso que ela mesma classificou como uma "ode à felicidade".

A entrega do Prêmio Shell do Rio de Janeiro está marcada para a próxima terça, dia 22.

OS VENCEDORES

Direção

Rodolfo García Váz- quez, pela peça Roberto Zucco.

Autor

Leonardo Moreira (foto), por Escuro

Ator

Luciano Chirolli, por As Três Velhas

Atriz

Bete Dorgam, por Casting

Categoria especial

Grupo Dolores Boca Aberta Mecatrônica de Artes, pela pesquisa e criação do espetáculo A Saga do Menino Diamante - Uma Ópera Periférica

Música

Fernanda Maia, por Lamartine Babo

Iluminação

Caetano Vilela, por Dueto para Um

Figurino

Theodoro Cochrane, por Escuro

Cenário

Marisa Bentivegna e Leonardo Moreira, por Escuro

Homenagem

Maria Alice Vergueiro, paladino do teatro experimental brasileiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.