Escritores lamentam morte de Roberto Drummond

Escritores e amigos lamentaram mortede Roberto Drummond, ocorrida nesta sexta-feira: Lygia Fagundes Telles, escritora: "Não tenho muito oque dizer. Estou extremamente triste. Éramos muito amigos,viajamos juntos pelo País em lançamentos dos nossos livros, eleera uma adorável companhia. É difícil acreditar que tenhamorrido tão cedo." Frei Betto, escritor: "Várias vezes, estive entre aspessoas a quem ele dedicou um livro, colaborei com ele quandofez o roteiro da minissérie Hilda Furacão. Acho que, agora,ele não está apenas sentindo o cheiro de Deus, ele está no colode Deus. Ousou vencer o tabu de que só se pode fazer sucesso noRio ou em São Paulo. O que me consola é que graças a nossaamizade ele retornou à fé cristã. É uma grande perda para aliteratura e para o País, tão carente de pessoas lúcidas comoele." Guy de Almeida, jornalista: "Ele nos pegou de surpresa.De nossa geração, foi o que se realizou mais plenamente. Suaobra ultrapassou fronteiras. Parou no meio de um percurso queprogramou e que conseguiu executar: queria viver só de escrevere, assim, deu uma enorme contribuição à literatura e aojornalismo." Ziraldo, escritor: "Conheço o Roberto desde menino. Erauma figura popularíssima em Belo Horizonte, um apaixonado pelofutebol. Acho que a tensão da véspera do jogo acaboucontribuindo para isso. Ele merecia ter visto o gol doRonaldinho Gaúcho." Deonísio da Silva, escritor: "Perdemos sobretudo umromancista e contista imaginoso, inventivo, inconformado com ascapitanias hereditárias de nossas letras. É imortal pelos livrosque escreveu. Assumiu que o escritor tinha função social emissão que iam além de escrever bons livros. Sempre que podiaparticipava de congressos, encontros, embora tivesse um medoterrível de avião, o que fez com que viajasse de táxi de BeloHorizonte a Curitiba para receber o Prêmio Paraná na década de70." João Ubaldo Riberiro : "Fiquei chocadíssimo quandosoube da morte de Drumond. Não nos conhecíamos pessoalmente, masnos dávamos à distância. Gostava dele e de sua obra. Ele era um dos mais importantesescritores contemporâneos do Brasil. É uma perda lamentável."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.