Escritora austríaca recebe o Nobel de Literatura

A romancista e poeta austríaca Elfriede Jelinek recebeu hoje o Prêmio Nobel de Literatura da Academia Sueca de Estocolmo. Nascida em Murzzuschlag, na província austríaca de Stryia, em 1946, fez sua estréia literária em 1967, e foi premiada pelo ?fluxo musical de vozes e contra-vozes em seus romances e dramas que revelam o absurdo dos clichês da sociedade e seu poder dominador?, explicou a academia. Desde 1996, uma mulher não recebe o prêmio de Literatura, dado, naquele ano, à polonesa Wislawa Szymborska. Apenas nove mulheres receberam o prêmio de literatura desde sua fundação, em 1901.Elfriede, que é autora de A Pianista, romance adaptado para o cinema como A Professora de Piano, pelo diretor Michael Haneke em 2001. O romance narra a história de amor entre uma professora de piano muito exigente e seu jovem discípulo. O filme deu a Isabelle Huppert o prêmio de melhor atriz e a Benoit Magimel, o de melhor ator no Festival de Cannes.Ao receber a notícia do prêmio, Elfriede disse sentir-se mais desesperada do que alegre. "Claro que fico feliz, não tem sentido negar isso, mas sinto na realidade mais desespero do que alegria. Não me sinto preparada como pessoa para fazer frente à opinião pública, por isso me sinto ameaçada", disse Elfriede Jelinek em declarações concedidas à imprensa austríaca.Ela diz que está consciente de que "recebe o prêmio também como mulher e por isso não pode se alegrar ilimitadamente. Se Peter Handke, que merece o prêmio muito mais do que eu, o recebesse, ele o faria somente como Peter Handke""Com freqüência, é difícil definir a natureza de seus textos, que se alternam entre a prosa e a poesia", além de conter "cenas teatrais e seqüências cinematográficas", afirmou academia, acrescentando que "seus escritos estão ligados a uma larga tradição austríaca na lingüística e na crítica social, com precursores como Johann Nepomuk Nestroy, Karl Kraus, Odon von Horvath, Elias Canetti, Thomas Bernhard e o Grupo Wiener".O primeiro livro publicado por Elfriede, em 67, foi a coleção Lisas Schatten (As Sombras de Lisa). Seus escritos mudaram muito após sua participação nas revoltas estudantis de 1968 e princípios dos anos 70 na Europa, quando publicou seu romance satírico Wir sind Lockvoegel, Baby! (­Somos Chamariz, Menina!). A ele se seguiram os romances Die Liebhaberinnen (As Amantes), de 1975, e Die Ausgesperrten (Os Prisioneiros), de 1980 e em 1988, publicou Die Klavierspielerin (A Pianista), entre outros.O prêmio de US$ 1,3 milhão de dólares será entregue no dia do aniversário da morte de seu fundador, Alfred Nobel (1833-1896), em 10 de dezembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.