Escritor protesta contra proibição

O escritor curitibano Austregésilo Carrano Bueno fez umprotesto nesta segunda-feira, em frente ao Tribunal de Justiça do Paraná, emCuritiba, em razão da determinação judicial para que seu livro O Cantodos Malditos, da Editora Rocco, seja recolhido das livrarias a partirde terça. A decisão foi tomada em 30 de abril pela 1ª Câmara Cíveldo TJ, atendendo a ação de Ilka Maria Guimarães Paolini e Luiz CláudioSurugi Guimarães, herdeiros do médico Alô Guimarães. Eles alegaram que a memória do médico foi ofendida no livro, que inspirou o filme Bicho de 7 Cabeças, dirigido por Laís Bodanzky. Guimarães era diretor do Hospital Psiquiátrico Bom Retiro, onde Buenofoi internado na adolescência, após seu pai encontrar um cigarro demaconha em seu bolso. No livro, ele conta parte de sua vida, sobretudoo sofrimento passado no hospital, onde recebeu várias aplicações deeletrochoque. O que levou a família de Guimarães a pedir o recolhimentodo livro são os diálogos reproduzidos, em que os pacientes xingam omédico. Os desembargadores decidiram pelo recolhimento do livro, que está na8ª edição pela Editora Rocco, "visando evitar a probabilidade de danoem futuras edições". Bueno amordaçou-se e vestiu uma camisa de força emseu protesto ontem à tarde em frente ao TJ. Depois, queimou algunsexemplares do livro. "A gente considera essa cassação muito violenta", disse o escritor."Eu não escrevi livro nenhum para denegrir a imagem de médico nenhum,nem de família, e sim mostrando uma realidade nua e crua, que é osistema manicomial brasileiro." Ele disse que recorrerá ao SupremoTribunal Federal. "A guerra está apenas começando", garantiu. "Vãoretirar, mas vão ter que colocar novamente o livro, isso a gente temcerteza."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.