Escritor Arthur Hailey morre nas Bahamas

Arthur Hailey, o autor de best sellers que tirava seus personagens da vida comum e os submetia a experiências extraordinárias, morreu em sua casa nas Bahamas, aos 84 anos, disse hoje sua mulher. O autor de Aeroporto morreu dormindo ontem, poucas horas depois de jantar com dois de seus seis filhos em sua casa na ilha New Providence, disse sua mulher, Sheila. Ela disse que os médicos acreditam que ele teve um derrame."Arthur era um homem muito humilde, mas ficava encantado com as cartas que ele recebia de leitores elogiando seus livros. Ele tinha um orgulho incrível deles". O talento do escritor para transformar histórias mundanas em thrillers levou 11 livros a serem publicados em 40 países e em 38 idiomas, com 170 milhões de cópias impressas. Ele usava o básico sobre procedimentos bancários e de administração de hotéis como cenário para suas tramas, preferindo personagens como gerentes e médicos a vampiros e espiões. "Eu não acho que inventei nada", disse Hailey em uma entrevista de 2001 à agência internacional Associated Press. "Eu parti da vida real". No romance Aeroporto, de 1968, por exemplo, o gerente Mel Bakersfield enfrenta uma crise quando um homem bomba enlouquecido embarca em um vôo. Os personagens do romance foram parar no cinema, com Burt Lancaster no papel de Bakersfield e Dean Martin como um piloto conquistador. O filme abriu as portas para outros filmes de desastres nos anos 1970. Outros romances de Hailey que viraram filmes são Hotel, Wheels, The Moneychangers e Strong Medicine. A paródia Apertem os Cintos... O Piloto Sumiu!, de 1980, foi baseada em um roteiro sério de Hailey para a televisão, Flight Into Danger (Vôo Para o Perigo). Ele não tinha controle sobre o filme, porque os direitos haviam sido vendidos, mas disse que gostou do resultado.Nascido em 5 de abril de 1920, em Luton, Inglaterra, Hailey teve que abandonar a escola aos 14 anos porque seus pais não podiam bancar-lhe além do ensino gratuito inglês. Ele serviu às Forças Armadas como piloto da Força Aérea Real na 2.ª Guerra Mundial, voando em caças sobre o Oriente Médio e foi piloto de aviões comerciais na Índia.Hailey mudou-se da Inglaterra para o Canadá, em 1947, e, mais tarde, recebeu a cidadania canadense. Ele trabalhou como gerente comercial para um produtor de tratores de Toronto. Depois, ele deixou o trabalho para escrever roteiros de televisão. A peça Flight Into Danger foi baseada em uma experiência real de Hailey de imaginar como seria ter que assumir o controle se os dois pilotos de um avião ficassem impossibilitados de pilotar. "Minha mente sempre foi uma contadora de histórias", disse Hailey à AP em 2001. Seu primeiro romance, The Final Diagnosis, foi publicado 1959 e fala sobre um patologista de um hospital que causa a morte de uma criança por engano. Os livros de Hailey recebiam críticas variadas. Geralmente os críticos elogiavam seu trabalho de pesquisa, mas diziam que sua escrita era cheia de clichês. Hailey e sua mulher se estabeleceram nas Bahamas em 1969. Nos últimos anos, ele parou de escrever para o mercado, mas continuou como um passatempo. Sheila Hailey disse que a memória de seu marido começou a ficar prejudicada após duas cirurgias cardíacas nos últimos anos e um derrame há dois meses. "Comecei a lamentar por ele há oito semanas. Ele não era mais o homem que eu conheci e amei", ela disse. "Ele tinha muito medo de atravessar a linha entre o esquecimento e o Alzheimer, e isso o incomodava muito". Sheila disse que o corpo de Hailey seria cremado em uma cerimônia particular em Nassau, esta semana. Hailey tinha quatro filhos e duas filhas de dois casamentos.Livros de Hailey - Uma busca nos sites da livrariacultura.com.br e submarino.com.br indica que seus livros que fizeram sucesso no Brasil nos anos 70, estão esgotados. É o caso de Aeroporto e Hotel, ambos publicados pela editora Nova Fronteira. Em português é possível encontrar Detetive e Remédio Amargo e Colapso, todos publicados pela editora Record. Há vários outros títulos do autor à venda em inglês, menos Airport.

Agencia Estado,

25 de novembro de 2004 | 18h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.