´Escrevo por não ter nada melhor para fazer´, diz Saramago

Aos 85 anos, o prêmio Nobel de Literatura José Saramago disse que continua escrevendo "para tentar entender", e porque não tem outra coisa melhor para fazer. O escritor português fez estas declarações no povoado de Tias, localidade da ilha canária de Lanzarote, onde mora há vários anos, durante a festa de apresentação do seu novo livro, As Pequenas Memórias. O livro narra uma história na qual o autor português volta no tempo para, a partir de suas origens rurais e humildes, convidar os jovens a aprender que a vida "não é tão fácil". Saramago destacou ainda que não entende muitas coisas, e afirmou que continua escrevendo para "tentar entender", e porque não tem "nada melhor para fazer, sabendo que chegará no final sabendo o mesmo que sabia antes, ou seja, pouco ou quase nada". Reflexões O escritor reconheceu que, na vida, "teve de tudo", e lembrou o momento em que, ao receber o prêmio Nobel, disse não "ter nascido para algo assim". "Isso resume a história de cada um dos seres humanos: a história entre não ter nascido para algo e, no final, acabar tendo, é a história de cada um de nós", afirmou. O autor disse que isso não significa que tenhamos nascido para nada, mas sim que "não sabemos para que nascemos". "Temos pela frente uma coisa que chamamos ´vida´, e que temos que vivê-la e fazer algo com o tempo que temos", assinalou. Saramago concluiu sua reflexão afirmando que os humanos, no fundo, são "transportadores do tempo, porque o levamos conosco, o usamos, às vezes o esbanjamos e às vezes resta algo, embora tudo esteja condenado ao esquecimento". Inspiração Ele advertiu também que o mundo está "cruzando uma porta", e que a mudança climática "vai mudar o mundo". Afirmou também que o tempo do desperdício está se aproximando do fim, e que o tempo da responsabilidade talvez tenha de começar agora. Saramago reconheceu que a idéia de escrever As Pequenas Memórias era antiga, de mais de 20 anos atrás. "Sempre tive imagens da infância e da adolescência muito vivas, e eu gostaria que este livro fosse um ato de homenagem a meus pais e a meus avôs", explicou. Nessa volta ao passado, acrescentou, não procura falar de si mesmo. "Falo do que penso, do que sinto, mas pouco de mim", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.