Escrever último 'Harry Potter' foi pior que divórcio, diz Rowling

Autora relata como foi dizer adeus ao bruxinho; escritora já trabalha em um novo projeto literário

Efe,

30 de janeiro de 2008 | 08h18

A escritora britânica J.K. Rowling admitiu nesta quarta-feira, 30, que escrever o último livro sobre Harry Potter, lançado no ano passado, foi mais difícil que um divórcio.  "Foi a pior ruptura da minha vida, muito pior que se separar de qualquer homem", disse a autora ao receber, numa cerimônia em Londres, um prêmio do South Bank Show, famoso programa de TV britânico de temática cultural. "Por outro lado, foi maravilhoso parar, tomar um ar e pensar: 'meu Deus, olha o que se transformou uma idéia que tive há 17 anos num trem'", disse Rowling, de 42 anos. Em 2007, a escritora publicou o último volume da saga do célebre aprendiz de bruxo, intitulado Harry Potter e as Relíquias da Morte. Com as aventuras do famoso personagem, a escritora vendeu 400 milhões de exemplares no mundo todo, tornando-se uma das mulheres mais ricas do Reino Unido. Quando escreveu Harry Potter e a Pedra Filosofal, em 1997, a escritora tinha se divorciado de seu primeiro marido e vivia como mãe solteira em Edimburgo, na Escócia. Quando questionada sobre um hipotético retorno de Harry num futuro livro, a escritora foi categórica: "Acho que definitivamente acabei com esta história. Disse que seriam sete livros, e foram sete livros". Rowling já trabalha num novo projeto literário, mas não quis falar muito sobre o assunto: "Estou escrevendo. É uma compulsão minha. Não tenho nenhuma pressa em publicar, porque passei dez anos com 'prazos definidos'".

Tudo o que sabemos sobre:
Harry PotterLondresJ. K. Rowling

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.