Pixabay
Pixabay
Imagem Milton Hatoum
Colunista
Milton Hatoum
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Escolhas

Todos os jovens – em tempos normais ou catastróficos – vivem a angústia da escolha de uma profissão

Milton Hatoum, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2021 | 03h00

“Tinha 20 anos. Não deixarei ninguém dizer que é a mais bela idade da vida”

Paul Nizan, ‘Áden, Arábia’

 

Para a imensa maioria dos jovens de famílias pobres, o vestibular deste ano será, sem dúvida, o mais angustiante. Esses estudantes foram, e ainda são, os mais prejudicados pela pandemia e pela política excludente e perversa do Ministério da Educação. 

Mas todos os jovens – em tempos normais ou catastróficos – vivem a angústia da escolha de uma profissão. É provável que muitos já tenham escolhido ou intuído um campo profissional. São estudantes que desde o ensino fundamental gostam de disciplinas de ciências humanas, biológicas, exatas; ou artes e literatura. Não são áreas de conhecimento isoladas; de algum modo, comunicam-se entre si. Além disso, a imaginação é uma capacidade inerente a qualquer pessoa, com ou sem formação profissional. 

Não são poucos os cientistas, médicos e engenheiros que se tornaram ficcionistas, poetas, ensaístas. Cito apenas dois exemplos: o engenheiro e poeta pernambucano Joaquim Cardozo, e o médico e escritor mineiro Pedro Nava. Ambos exerceram sua profissão ao longo da vida, mas o engenheiro e o médico encontraram na poesia e na prosa linguagens para expressar um sentimento particular de ver o mundo. 

Ao contrário das universidades norte-americanas, são poucas as universidades brasileiras que oferecem disciplinas de ciências humanas e artes nos dois primeiros anos dos cursos de ciências exatas e biológicas. Penso que essa é uma falha da grade curricular das nossas universidades. 

Quando fui professor-visitante na Universidade da Califórnia (Berkeley), me surpreendeu o número de estudantes das áreas de tecnologia, biomédicas e outras. Quase todos já tinham cursado disciplinas de cultura e literatura norte-americana, mas os futuros médicos, engenheiros, cientistas, economistas e advogados queriam conhecer um pouco da literatura da América Latina. 

No Brasil, quando um estudante universitário deseja mudar de curso ou de área de conhecimento, é necessário prestar mais um vestibular e, claro, ser aprovado. Isso pode ocorrer no primeiro ou no segundo ano da faculdade, e às vezes no fim do curso, ou mesmo depois, em pleno exercício da profissão. 

Mas a pior coisa para um jovem vestibulando indeciso é a pressão dos pais para que o filho (ou a filha) siga essa ou aquela profissão. Lembro que, ao terminar uma palestra numa escola particular, uma estudante quis conversar sobre a escolha do curso universitário. O pai a pressionava a estudar medicina, e ela queria ser atriz. Então mencionei o caso de uma conhecida, que se formou em medicina, concluiu um doutorado em cardiologia, e poucos anos depois percebeu que sua paixão era a arte da cerâmica. Hoje ela é uma exímia ceramista. 

Infelizmente poucas escolas convidam profissionais de áreas diversas para falar sobre sua formação universitária e suas experiências de trabalho. Essas falas poderiam ser gravadas em vídeo e transmitidas em sala de aula nas escolas públicas e particulares. Assim, os estudantes indecisos – quando não totalmente perdidos – teriam uma noção mais clara dos cursos e das profissões, sem excluir o teatro e a cerâmica. 

Diante de filhos indecisos quanto à escolha profissional, os pais não devem pensar apenas no mercado, na vantagem financeira ou no suposto – e muitas vezes enganoso – “prestígio” de uma profissão. Quando um jovem reflete sobre o significado da vida, o que está em jogo é a própria variedade da vida, com suas ambiguidades e dúvidas. 

No romance Pais e Filhos, de Ivan Turguêniev, dois amigos – Arkádi e Bazárov – conversam sobre a infância, a passagem do tempo, a natureza, o amor, a família, os princípios morais, os mujiques e a vida no campo, a Rússia... Em certo momento, Arkádi, com ar pensativo, diz ao amigo:

“É preciso construir nossa vida de modo que cada momento seja significativo”.

“Perfeito!”, diz Bazárov. “O que é significativo tem um gosto doce, mesmo quando é falso, mas também é possível resignar-se ao que não tem significado... porém as brigas por mesquinharias... isto sim é uma desgraça.”

A orientação dos pais e da escola é importante, mas cabe ao jovem buscar e descobrir o que lhe será mais significativo na vida. 

É ESCRITOR E ARQUITETO, AUTOR DE ‘DOIS IRMÃOS’ E ‘CINZAS DO NORTE’

Tudo o que sabemos sobre:
vestibular

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.