Imagem Roberta Martinelli
Colunista
Roberta Martinelli
Som a pino
Conteúdo Exclusivo para Assinante

'Éramos nós dessa vez...'

Muito estão falando sobre os retrocessos que estamos vivendo e eles são bem claros, mas, enquanto isso acontece, a arte avança com uma força avassaladora

Roberta Martinelli, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2018 | 02h00

Tem semanas que escrevo sobre um assunto só, em algumas semanas não consigo escolher entre tanta coisa que acontece. O mundo das artes não para. Muito estão falando sobre os retrocessos que estamos vivendo e eles são bem claros, mas, enquanto isso acontece, a arte avança com uma força avassaladora. Até por isso, acho. Um mundo onde pessoas são assassinadas por ser quem elas são, apenas, é um mundo impossível. Inacreditável. Então, podem até tentar andar para trás, mas a arte vai te empurrar pra frente. Com força. Estamos em 2018 e não, não passarão, não mesmo. Na coluna de hoje tem cinema, música, disco, show e a música da semana. Muita arte e tantas possibilidades.

ULTRASSOM 

Eu escrevi em uma das colunas passadas sobre o lançamento do novo disco do Edgar, cantor, rapper, compositor, enfim artista de Guarulhos que se prepara para lançar o álbum que leva o nome de Ultrassom, com produção do baterista e produtor Pupillo da banda Nação Zumbi. 

Artista performático que sempre encanta no palco tem chamado a atenção de artistas como Elza Soares. Tanto que ele participou do disco mais recente dela, Deus É Mulher, na música Exu nas Escolas, uma composição do Kiko Dinucci. E no disco que sai logo mais, Edgar tem a participação de ninguém menos que a cantora e compositora Céu. Em primeira mão nessa coluna, tenho a alegria de apresentar-lhes a capa do disco com foto de Pedro Ladeira e arte do Renan Soares. O disco está previsto para o dia 24 de agosto.  

 

ABRINDO O ARMÁRIO

“Eu sempre fui viado, mas nunca deixei de ser homem por causa disso”, frase de Madame Satã é a primeira imagem na tela do documentário Abrindo o Armário, que estreia no dia 16 de agosto com direção de Dario Menezes e Luiz Abramo. O filme é uma viagem na história do movimento LGBTQI+ no Brasil e tem participação da performer, cantora, artista Linn da Quebrada e sua parceira no palco e no disco Pajubá, Jup do Bairro. 

Linn conta que a primeira vez que se montou foi no aniversário de 17 anos e quando chegou em casa escondeu tudo embaixo da cama, peruca, salto e a mãe encontrou e foi assim que ela foi dissociada da Testemunhas de Jeová, da qual foi praticante e era o meio em que vivia desde pequena. 

Além delas, estão no filme dois integrantes do grupo original dos Dzi Croquettes: o poeta, ator e bailarino Bayard Tonelli e o diretor, ator e coreógrafo Ciro Barcellos, um campeão de games, um escritor, um jornalista, um cineasta, um corretor de imóveis, um artista plástico e outros que falam e pensam sobre a importância do movimento nos últimos 50 anos. 

Anotou a data da estreia? Repito então: 16 de agosto. 

 

AFROCIDADE 

Outra dica imperdível desta semana é o show da banda Afrocidade de Camaçari, na Bahia na quinta-feira, dia 26 de julho, no Sesc Pompeia, em São Paulo, com participação de Rincon Sapiência. Programa imperdível e oportunidade especial no encontro. 

Música da semana

Amor Distrai (Durin) 

Música do novo disco da banda Carne Doce, que fez show de lançamento em São Paulo no sábado passado, no Centro Cultural São Paulo, com ingressos mais que esgotados e pessoas tentando assistir ao show pelo vidro. 

O disco está disponível em todas as plataformas e a turma de cá torcendo para mais um show logo. A arte do disco com essa meia-calça ficou demais no palco. 

Mais conteúdo sobre:
música

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.