Ronald Reagan Library/ AP
Ronald Reagan Library/ AP

Vestidos da princesa Diana serão expostos em Londres 20 anos após sua morte

Mostra externa como ela transformou os códigos de vestimenta da família real

AFP

22 de fevereiro de 2017 | 11h31

Vinte anos após a trágica morte de Lady Di, uma exposição organizada em Londres mostra como a princesa de Gales transformou os códigos de vestimenta da família real e se tornou um ícone da moda.

Dos traje simples que usava em suas primeiras aparições públicas aos vestidos de noite cintilantes, a exposição "Diana: sua vida através da moda" traça a evolução do estilo da princesa de Gales ao longo dos anos e a afirmação da sua personalidade.

"Ela ganhou confiança ao longo de sua vida, assumindo cada vez mais o controle sobre a forma como era representada, se comunicando de maneira inteligente através de suas roupas", explica Eleri Lynn, curadora da exposição.

"A exposição explora a história de uma jovem mulher que teve de aprender rapidamente as regras de vestuário diplomáticas e da realeza e que colocou a indústria de moda e os estilistas britânicos no centro das atenções", explicou.

Determinada a assumir plenamente sua feminilidade, Diana, que foi uma das mulheres mais fotografadas do mundo, sacudiu as tradições com um estilo menos formal e mais moderno.

Entre as peças mais famosas apresentadas na exposição figura o longo e deslumbrante vestido Victor Edelstein que ela usou para um jantar oferecido em 1985 pelo presidente dos Estados Unidos Ronald Reagan na Casa Branca.

Foi neste veludo azul-escuro, com ombros nus, que Diana Spencer dançou com John Travolta ao ritmo de "You Should be Dancing", do filme "Os embalos de sábado à noite".

Apelidado de vestido "Travolta", a peça foi vendida por 250.000 libras (297.000 euros) em um leilão há três anos.

Os visitantes da exposição também vão poder descobrir, a partir da inauguração, na sexta-feira, a camisola que ela usava no palácio de Buckingham e sobre a qual ainda há minúsculas impressões digitais, provavelmente deixadas por William ou Harry, seus dois filhos, quando ainda eram crianças.

Vestido falcão e minissaia. Também estará exposta a blusa rosa Emanuel que Diana vestiu para o retrato de noivado com o príncipe Charles registrado por Lord Snowdon em 1981.

Ou ainda o vestido de seda creme "Gold Falcon" com estampa de falcões, emblema da Arábia Saudita, que Diana usou em uma viagem diplomática a esse país em 1986.

Lady Di dispunha igualmente de um "guarda-roupa de trabalho", chique e descontraído e assinado por Catherine Walker, sua estilista preferida.

São vestidos de corte reto, ternos e roupas que usava para defender suas causas, como o apoio aos portadores do HIV, e que contribuíram para fazer dela a "princesa do povo", como havia definido o primeiro-ministro Tony Blair após sua morte.

A exposição também analisa a evolução do seu guarda-roupa depois de sua separação do príncipe Charles, em 1992. Diana tornou-se mais ousada, usando com mais frequência a minissaia.

A exposição estará no palácio de Kensington, residência durante quinze anos de Diana, onde uma estátua deve ser inaugurada por seus filhos para marcar o aniversário de sua morte.

A princesa, seu companheiro Dodi Al-Fayed e o motorista Henri Paul morreram em 31 de agosto de 1997 em um acidente de carro em um túnel sob a ponte Alma, em Paris.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.