Enterro do Capitão América é tema de gibi nos EUA

Morte do herói símbolo dos Estados Unidos é uma crítica à política atual do país

Agencia Estado

02 de julho de 2007 | 19h10

Sob uma fina chuva no Cemitério Nacional Arlington, em Washington, milhares de patriotas, em luto, solenemente observam o Homem de Ferro, Pantera Negra, Ben Grimm e Miss Marvel carregando um caixão coberto por uma bandeira dos Estados Unidos. Sim, o Capitão América está morto e será enterrado na última edição da revista Fallen Son (Filho caído), da editora Marvel Comics, que chegará às revistarias norte-americanas em 5 de julho, dia seguinte ao Dia da Independência dos Estados Unidos.Após 66 anos lutando contra vilões como Adolf Hitler e o Caveira Vermelha, o líder do grupo de super-heróis Vingadores foi assassinado com um tiro nos degraus da Suprema Corte de Nova York. Ele estava sendo levado perante um júri após se recusar a assinar o Ato de Registro de Super-heróis - medida governamental que, entre outras ações, revelaria a identidade dos "vigilantes encapuzados".Um atirador de elite acusado de atirar contra o herói-patriota de cima de um telhado foi capturado pela polícia logo depois. O suspeito, porém, não teria agido sozinho e nem disparado o tiro que derrubou o Capitão América.Com uma seqüência de histórias semelhantes à conturbada política contemporânea dos EUA, é difícil não encarar a Guerra Civil Marvel (que começa em julho aqui no Brasil) como uma grande crítica ao governo Bush, disse o escritor de quadrinhos Jeph Loeb, responsável por Fallen Son."Parte (da história) surgiu do fato de que vivemos em um país que está em guerra, de que estamos sendo vistos de modo diferente pelo mundo", disse o escritor americano. "Ele (Capitão América) veste a bandeira e é assassinado. É impossível não encarar esse fato ao menos como uma metáfora das complicações dos dias atuais."Loeb, porém, afirma que está trabalhando com um material mais pessoal: a morte de seu filho de 17 anos, vítima de câncer. "Muitas pessoas perdem seus filhos e filhas todos os anos, pelo ´bem maior´ ou por uma doença como o câncer e outras coisas horríveis", acrescentou Loeb, que também é produtor-executivo da aclamada série televisiva Heroes. "Queria que as pessoas se identificassem com isso (a história)."Nos quadrinhos finais da história, o herói Falcão discursa e pede para que os super-heróis, velhos e novos, levantem-se e prestem homenagem ao Capitão América. Loeb fez algo similar no funeral de seu filho. "Foi neste momento que percebi que todos (no funeral) éramos diferentes, mas este garoto, meu filho, fez com que todos nós nos conectássemos", disse. "Foi algo poderoso."OrigemO Capitão América, alter ego de Steve Rogers, é um dos mais antigos membros do panteão de super-heróis dos quadrinhos - o qual foi inaugurado pelo Super-Homem na década de 1930. Ele surgiu nas bancas em março de 1941, nove meses antes do ataque japonês à base norte-americana de Pearl Harbor, no Havaí, dando um soco na cara de Hitler na capa da primeira edição. Tal imagem foi um amargo lembrete aos americanos de que havia uma importante guerra acontecendo e que os Estados Unidos não tinham ainda se envolvido no conflito. Desde então, a Marvel vendeu mais de 200 milhões de revistas do Capitão América em 75 países.O herói, porém, deverá voltar dos mortos, como é praxe no universo dos quadrinhos norte-americanos (vide as "ressurreições" do Super-Homem e de outros heróis e vilões). Mesmo assim, Loeb diz que a questão agora não é importante."A questão é: como o mundo viverá sem este herói?", disse. "Se a história de seu retorno será contada no futuro, tudo bem. Mas todos ainda terão de lidar com sua perda. Ele não irá simplesmente acordar e ver que tudo não passou de um sonho", conclui o escritor.

Tudo o que sabemos sobre:
capitãoaméricaHQ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.