Enquanto isso, no teatro...

Desde sua origem, o teatro é arte aberta a "novas tecnologias", sejam elas tochas, iluminação elétrica ou projeções. As tintas do pintor nunca foram estranhas aos artistas da cena, nem os tecidos do estilista ou os instrumentos do músico: no palco cabem elementos de muitas áreas da criação e, por isso, há sempre abertura para o novo.

Beth Néspoli, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2010 | 00h00

Fundado em 2005, o grupo Phila 7 defende a radicalização da mistura de tecnologias como forma de inovação das artes cênicas, pensamento que o diretor Rubens Velloso mais uma vez colocou em prática ao dirigir os 14 atores do Núcleo Experimental do Sesi em Alice Através do Espelho, que estreia hoje no Centro Cultural da Fiesp (Av. Paulista, 1.313). Um recado deixado por Alice num blog (phila7.com.br) antes de desaparecer e a busca por Alice na web são elementos explorados pela trupe para abordar a indefinição de fronteira entre real e virtual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.