Enfermeiros apóiam novo filme de Michael Moore

Cineasta teme que governo americano vete cenas de SiCKO, gravado em Cuba

Agencia Estado

07 Junho 2014 | 17h54

O cineasta Michael Moore recebeu o apoio dos enfermeiros da Califórnia para seu novo documentário, SiCKO, para o qual procura abrigo na internet e no Canadá. SiCKO é uma visão crítica do sistema de saúde americano. Em plena campanha para a estréia do filme, prevista para 29 de junho, Moore está atacando em todas as frentes. O vencedor do Oscar por Tiros em Columbine foi recebido nesta quarta-feira, 13, no Capitólio de Sacramento, na Califórnia. Ele apresentou seu filme em um debate sem a presença de qualquer congressista republicano. Mas recebeu o apoio da Associação de Enfermeiros da Califórnia. Os membros do sindicato, conhecido por seu conflito com o Governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, em 2005, se apresentaram nas escadas do Capitólio com camisetas vermelhas com o título do filme. O documentário, apresentado em maio no Festival Internacional de Cannes, é objeto de uma investigação por parte do Departamento do Tesouro americano. O cineasta poderá enfrentar uma batalha legal devido à sua viagem a Cuba, com três dos afetados pelos atentados de 11 de Setembro de 2001. Eles foram levados à ilha para receber assistência médica gratuita. Luta na Justiça Moore confirmou nesta quarta-feira que uma cópia de seu documentário está guardada em lugar seguro no Canadá. Ele explicou que teme que o governo americano queira confiscar o filme como parte da investigação. O embargo a Cuba, em vigor desde 1962, proíbe que americanos visitem o país. Mas Moore argumenta que sua viagem foi um trabalho jornalístico. Moore também recorreu à internet. Além de usar seu site (www.michaelmoore.com), ele criou um canal no YouTube com a intenção de reunir queixas dos americanos contra o serviço de saúde. SiCKO reúne vários testemunhos. Mas, devido à arrasadora resposta recebida, o documentarsta quer expor no YouTube os vídeos que não couberam no longa-metragem e as novas queixas que surgirem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.