Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Encontros

No outro dia me encontrei com Adolf Hitler. Ele parecia bem, para um homem com 125 anos. E feliz. Talvez fosse o clima de Itatiaia, onde ele veio morar depois da guerra e onde tem uma pequena pousada no estilo bávaro. Perguntei a que ele atribuía sua jovialidade e ele respondeu: "A uma vida bem vivida". E continuou:

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

07 Setembro 2014 | 02h07

- Fiz tudo a que me propus fazer, na vida. Sou um homem realizado. Um vitorioso.

Eu não quis ser indelicado, mas era preciso lembrá-lo:

- A Alemanha perdeu a guerra, Adolf.

- Ach, a Alemanha. EU ganhei. Consegui tudo o que queria. Me vinguei!

Não entendi. Ele se vingara dos aliados que tinham vencido a Primeira Guerra Mundial e imposto pesados castigos à Alemanha derrotada? Se vingara dos seus inimigos políticos, que tinham tentado impedir sua ascensão ao poder? Dos judeus? Se vingara de quem, exatamente?

- Da Academia de Artes de Viena, que não me aceitou. Sabe o que eles disseram das minhas pinturas, quando eu quis me matricular? Que eram muito água com açúcar. Água com açúcar! Jurei, então, que me vingaria. Que minha arte ainda iria espantá-los. Que eles iriam ver.

Depois de tanto tempo, Hitler ainda se entusiasmava com a lembrança do que fizera. Mesmo com seus 125 anos, dava pulinhos de satisfação. As pessoas não tinham entendido que a destruição da Alemanha e de boa parte da Europa num holocausto de fogo era o seu objetivo: era a sua obra. A cada notícia de uma cidade alemã arrasada por bombardeios, a cada nova barbaridade, ele dava gargalhadas. Seu único sentimento ao ver Berlim totalmente em ruínas, antes de fugir para o Brasil, fora o de não poder assinar o quadro como se assina uma pintura. Ele conseguira. Um fim apoteótico, wagneriano. Queria ver a Academia chamar aquilo de água com açúcar!

Quando nos despedimos ele me convidou a visitar sua pousada, onde serviam um apfelstrudel respeitável.

No mesmo dia (que dia!) dei com o Martin Luther King na rua. Não pude me controlar a exclamei:

- Negrão!

Ele não gostou.

- What?

- Desculpe! É um hábito brasileiro... "Negrão" é um termo carinhoso. Quer dizer, carinhoso não. É... comum. A gente diz sem pensar. É como chamar negro de crioulo. Não é desrespeito, entende? Ou é mas não é. A gente também chama crioulo - quer dizer, desculpe, afrodescendente - de negrinho, mesmo que ele tenha dois metros de altura. Não é racismo, é... é...

O King só me olhava. Finalmente disse:

- É racismo, sim.

Ele começou a se afastar. Eu ainda gritei:

- Mas é inconsciente!

Não adiantou. Ele nem se virou.

Mais conteúdo sobre:
Luis Fernando Verissimo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.