Encontro histórico reúne dançarinas

Um encontro histórico. Dois grandes expoentes da dança brasileira, Ruth Rachou e Angel Vianna, dividem o palco do Sesc Ipiranga, em São Paulo, somente nesta quarta-feira, com entrada franca, em uma bela homenagem a todas as mulheres brasileiras, no evento Damas da Dança. Serão apresentados os solos Dançarinar, de Ruth, e Inscrito, de Angel. Após as performances, o público é convidado a participar de um bate-papo, no qual as artistas comentarão as coreografias apresentadas, trajetória e principalmente, a história da dança no País. Dançarinar, como define a autora, é uma retrospectiva. "Nesse solo procuro mostrar um pouco da minha carreira, da minha experiência, e mais minha dança dentro das possibilidades e condições físicas que tenho na minha idade", observa Ruth. "Também acho que é fundamental ver como a dança não é restrita a uma faixa etária, que uma pessoa mais experiente pode continuar criando, trabalhando e desenvolvendo processos artísticos, principalmente na dança moderna, que não exige somente técnica." Dançarinar é uma criação de Ruth com Helena Bastos e a trilha sonora conta com músicas de Villa-Lobos e Rogério Costa, que compôs especialmente para o espetáculo. O Damas da Dança presta bela homenagem a essas criadoras que fizeram história. "O evento mostra o respeito que as pessoas sentem pelo nosso trabalho, além de ser uma boa oportunidade para mostrarmos quanto estamos ativas", diz. Ruth é uma artista que faz parte da geração que inaugurou a dança moderna no Brasil, nos idos da década de 1950. "Comecei no Balé do 4.º Centenário, foi ali que decidi que realmente seria bailarina e abraçaria essa arte como profissão" comenta a artista, que elegeu essa experiência como o período marcante de sua carreira. "Lá dei os meus primeiros passos, foi um momento belo e, ao mesmo tempo, tomei uma decisão importante." A bailarina também participou de filmes rodados na Vera Cruz e dançou no Balé da TV Record, o que lhe rendeu o Troféu Roquete Pinto, em 1963. No final dos anos 60 viajou para os Estados Unidos, um país que fervia com uma série de inovações artísticas. Nas terras do Tio Sam aprendeu as técnicas de Merce Cunningham, José Limón e Martha Graham - foi uma das maiores divulgadoras das técnicas dessa artista no País. Além de dar aulas em sua escola, leciona na Escola Muncipal de Bailado desde 1989. Em 1992 criou um grupo próprio. "Tenho muitos planos para este ano: organizar coreografias para os meus alunos e levar aos palcos um novo espetáculo que está em fase de finalização, com músicas de Piazzola", empolga-se. "Acredito que o Brasil é um país que possui espaço para todos, com muitas possibilidades, mais do que na época em que comecei. Deixo como conselho para os mais novos a dedicação e a persistência." Parte dois - Angel Vianna leva ao palco Inscrito, uma coreografia inspirada na obra e vida do poeta Jorge Luis Borges. A direção e a coreografia são assinadas por Paulo Caldas. Artista plástica, atriz, bailarina, coreógrafa, professora, assim é Angel, um talento multifacetado que começou sua carreira em Minas Gerais. Em parceria com Klauss Vianna criou uma companhia que marcou as pesquisas interdisciplinares no Brasil. Deu aulas na Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia, dançou Gisele com Rudolf Nureiev e Margot Fonteyn. Pesquisou expressão corporal e relações do uso de movimentos para atores, artistas plátiscos e educadores no Centro de Pesquisa Corporal Arte e Educação, Grupo Teatro em Movimento e Núcleo Coreográfico Teatro Movimento. Atualmente atua na Escola Angel Vianna/Espaço Novo. Damas da Dança - Quarta-feira, às 20 h. Os ingressos devem ser retirados a partir das 18h30. Sesc Ipiranga: R. Bom Pastor, 822. Tel: (11) 3340-2000.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.