Empresa se especializa em transporte de obras de arte

Há cerca de seis meses, a empresaMillenium Transportes está fazendo o transporte de obras de arte, uma iniciativa que começou com a exposição dos premiados pelaAssociação Brasileira de Críticos de Arte, mostra que ocorreuentre abril e junho no Centro Cultural Banco do Brasil de SãoPaulo (CCBB). O mais recente trabalho da empresa foi transportaras obras do 10.º Salão Paulista de Arte Contemporânea, mostrarealizada pela Secretaria de Estado da Cultura que se encerraagora, neste domingo. Segundo a diretora da empresa responsável por essa novaseção da empresa, Selma Gomes da Silva, a Millenium estáinvestindo um montante de cerca de R$ 1 milhão nesse novo tipode serviço. "O mercado é carente em transportes de obras dearte e, além disso, esse serviço é um diferencial para aMillenium, que existe há cinco anos", diz. Além das duas exposições citadas acima, a empresa jálevou obras da mostra Transferências Ocasionais - Pinturas eEsculturas, que está acontecendo em Curitiba, no Museu de ArteContemporânea do Paraná; está trabalhando com o Instituto TomieOhtake; é responsável pelo transporte das esculturas do artistajaponês Nobu Mitsunashi para a Pinacoteca do Estado, além de terprestado serviços para o evento de design e decoração Casa Cor. Para oferecer um cuidadoso transporte dos diversos tiposde obras de arte, a Millenium disponibiliza 12 caminhõesespeciais entre os 50 de sua frota que são climatizados eequipados com suspensão a ar e plataforma de elevaçãohidráulica. Além disso, a empresa também cuida de todo oprocesso de embalagem das obras já que possui uma marcenariaprópria onde são fabricadas caixas personalizadas para cadatrabalho artístico transportado. São embalagens feitas commadeira tratada e suas estruturas são revestidas com isopor,espuma e papéis especiais. Ademais, a Millenium conta com o apoio de uma equipe derestauradores, montadores de exposições, todos coordenados pelamuseóloga Anna Luisa Sarti. "Quando visitamos clientes, levamosa Anna junto", conta a diretora. Como diz Selma, dependendo do cliente, a empresa nãocobra nada pelo serviço, uma forma que pode até ser vista comoum tipo de patrocínio. Foi o que ocorreu com a exposição dospremiados pela Associação Brasileira de Críticos de Arte,intitulada Artistas Contemporâneos, que contou com obras deAmélia Toledo, Sacilotto, Cícero Dias, Siron Franco e CésarRomero.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.