Luke Macgregor|Reuters
Luke Macgregor|Reuters

Emma Watson e J. K. Rowling pedem estátua em honra das sufragistas em Londres

A atriz, a escritora e outras ativistas pediram uma estátua na frente do Parlamento, onde há 17 monumentos dedicados a homens

Redação, EFE

10 de maio de 2016 | 17h48

A atriz Emma Watson e a escritora J. K. Rowling, entre outras ativistas, pediram em carta aberta ao prefeito eleito de Londres, Sadik Khan, que erga uma estátua em frente ao Parlamento para honrar as primeiras sufragistas.

Publicada no jornal The Telegraph, a carta cobra do prefeito trabalhista da capital britânica, vencedor das eleições municipais da quinta-feira, que cumpra a parte de seu programa eleitoral na qual assegura que atuará como “um feminista orgulhoso” na prefeitura.

As ativistas que assinam o documento se dizem “encantadas” com essa afirmação e exortam Sadik Khan a “dar o primeiro passo” para honrar suas palavras.

E lamentam que na Praça do Parlamento, em frente ao Palácio de Westminster, “casa de uma das democracias mais antigas do mundo”, das 17 estátuas instaladas nenhuma seja de mulher.

“Essa falta de representação é preocupante, mais que o direito das mulheres de participar da vida pública. É relevante pela mensagem que transmite sobre o lugar da mulher no mundo”, diz a carta.

O documento lembra a Khan que em fevereiro de 2018 fará 100 anos que o direito das mulheres ao voto foi reconhecido na Inglaterra, ocasião que merece uma estátua comemorativa.

“As sufragistas fizeram uma longa campanha e lutaram com força para alcançar esse direito básico”, assinala o texto, lamentando a falta de imagens femininas diante de Westminster, “particularmente danosa num país em que as mulheres são apenas 29% dos deputados”.

“Não precisamos mais que nos lembrem DE que a liderança de nosso país não é assunto de mulheres. Mas sabemos que o senhor não pensa assim - dizem as ativistas ao prefeito - e esperamos que queira mudar a situação.” / TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ

Mais conteúdo sobre:
LondresParlamentoInglaterra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.