Angus Mordant/The Washington Post
Angus Mordant/The Washington Post

Em Woodstock, paz e amor também é uma questão de localização

'Essas pessoas estão tentando transformar este lugar em outra coisa. Vão acabar pavimentando o paraíso', diz o proprietário de uma casa local — onde Bob Dylan e a The Band gravaram canções — preocupado com a gentrificação

Karen Heller, The Washington Post

24 de setembro de 2020 | 18h48

WOODSTOCK, N.Y. — Quando chegamos a Woodstock, tinha um Porsche novinho em folha atrás de nós.

Era uma tarde bucólica de um dia de semana numa estrada de duas pistas pelas montanhas. Woodstock é um paraíso histórico para músicos, artistas e ativistas, um lugar para desacelerar e se deleitar com a glória da natureza e com as lojinhas cheias de roupas em tie-dye, o destino de fim de semana favorito dos moradores da cidade grande.

Ninguém tem muita pressa para chegar a lugar nenhum. Mas o cara do Porsche não tinha pegado o espírito da coisa e nos ultrapassou, acelerando a 80 por hora numa zona de 30. Aqui existe um termo para essas pessoas: cidadiotas.

Dá para identificá-los pelo jeito como dirigem. E por sua urgente necessidade de adquirir imóveis em Catskills durante a pandemia – às vezes sem visitá-los pessoalmente, muitas vezes pagando tudo em dinheiro e invariavelmente pagando mais que o preço pedido.

Quando o coronavírus atingiu a cidade de Nova York, alguns habitantes da metrópole, uma vez confinados em casa, ficaram sem todas as maravilhas que fazem da cidade uma cidade e buscaram mais espaço, mais ar fresco, menos pessoas e menos casos de covid-19. Queriam jardins. Sonhavam com mato.

Eles tomaram o rumo das colinas do condado de Ulster, cerca de 160 quilômetros ao norte, uma invasão pandêmica às terras do vale de Green Acres. Alguns podem ter se sentido atraídos pela mística de um lugar que se autopromove como “a cidadezinha mais famosa da América”, embora o famoso festival de música de 1969 tenha acontecido em Betel, cerca de 100 quilômetros a sudoeste.

“Nunca vi tantas famílias jovens tentando recomeçar tudo ao mesmo tempo”, diz Carol Spirig, veterana de mais de três décadas no mercado imobiliário local. “Alguns deles têm certeza de que não vão voltar”. Vinte e cinco ofertas por uma única propriedade viraram coisa corriqueira. Nesta cidade de cerca de 6 mil habitantes, as calçadas estão apinhadas de jovens casais com tênis impecáveis, empurrando carrinhos de bebê que custam quatro dígitos e fazendo fila em imobiliárias locais, babando nas listas de imóveis.

Durante o segundo trimestre do ano, os meses mais mortíferos de Nova York, a cidade de Kingston, no condado de Ulster, com uma população de cerca de 23 mil habitantes, experimentou o maior aumento de preços de moradias do país, de acordo com a Associação Nacional de Corretores de Imóveis: 18%, chegando a um preço médio de US$ 276 mil.

“No ano passado, não consegui vender minha casa”, disse o empreiteiro Sean McLean. Este ano, a mesma casa gerou uma guerra de ofertas – como acontece com quase todas as vendas – chegando a 20% acima do preço inicial, o que também virou padrão no condado.

“Agora sou rico e não tenho casa”, diz McLean, que está sobrecarregado de trabalho, como todo mundo no ramo da construção. “Lembra quando você não conseguia encontrar papel higiênico? Bom, é mais ou menos o que está acontecendo com os imóveis aqui”. Nos arredores da cidade de Saugerties, uma cabana é alugada por quase US $ 200 por noite.

Clip Payne, membro do coletivo Parliament-Funkadelic, que geralmente viaja a maior parte do ano, viu seu aluguel em Woodstock quase dobrar sob um novo proprietário que reformou o imóvel.

“Sei que dinheiro tem que fazer dinheiro. Mas aqui era um lugar onde eu não precisava me preocupar com grana”, diz Payne, 25 anos. “Era um lugar onde você podia ficar na sua. Não tinha aquela sensação de cidade”, diz ele. “Agora parece que você está andando nas ruas do Brooklyn”. Três das cinco mulheres de sua turma venderam suas casas.

“Fizeram ofertas muito altas, não tinha como não vender”, disse Payne.

Como as 'novas' cidadezinhas vão sobreviver?

Durante a pandemia, surgiram relatos convulsos que falavam que as pessoas – sejamos honestos, as pessoas ricas – estavam fugindo da cidade de Nova York e que a cidade nunca mais seria a mesma. Na verdade, a cidade vai bem, obrigado.

Mas o que acontece do outro lado da equação quando, em questão de meses, as cidadezinhas do interior são inundadas por metropolitanos que estão chegando de mudança? O que acontece quando as pessoas da cidade grande, com expectativas de cidade grande (além dos hábitos de direção), põem todas as suas fichas num lugar predominantemente rural que há muito tempo é bem acessível a muitas pessoas?

Autoridades do condado de Ulster projetam um aumento de 10% no número de habitantes fixos neste ano, com 17 mil pessoas a mais.

Timothy Sweeney, presidente do Serviço Imobiliário do Vale Hudson da Região de Catskill, acredita que a população aumentará em 25 a 30 por cento. “O mercado está frenético, borbulhante”, diz ele.

“Tem uma tremenda oportunidade, muita empolgação e muito potencial”, disse Pat Ryan, representante do condado de Ulster, “mas também teremos grandes desafios se não formos cuidadosos e se a desigualdade continuar a crescer”.

Semanas atrás, numa noite de quarta-feira, enquanto acontecia um protesto do Black Lives Matter na Kingston's Academy Green, fregueses jantavam lagostas de US $ 28 a poucos quarteirões dali, no Hotel Kinsley, inaugurado há menos de um ano, onde os quartos menores são alugados por US $ 289 por noite.

Os moradores se preocupam com a desfiguração da descolada Kingston, a primeira capital do estado de Nova York, onde um desenvolvimento planejado incluirá mais um hotel de luxo e 129 “unidades residenciais a preço de mercado”, um conceito em ascensão quando você está falando dos preços de imóveis que mais sobem no país, numa região onde a renda familiar média anual é inferior a US $ 50 mil.

O Barnfox [algo como “raposa de celeiro”], um tipo de WeWork com uma pegada mais luxuosa e que não se parece em nada com um celeiro, se promove como “um coletivo de alto padrão para criativos, inovadores e líderes da indústria”. O plano anual custa US$ 2,5 mil dólares. Tem kombucha na torneira. Em fevereiro, o primeiro local foi inaugurado em Hudson, 50 quilômetros ao norte no condado de Columbia. Hudson é um anátema para muitos em Kingston, repleta de lojas caras que lembram cenários de cinema, uma caricatura de cidade do interior.

O Barnfox se deparou com críticos ferrenhos antes mesmo de inaugurar sua unidade em Kingston. A conta do Instagram foi bombardeada com uma tempestade de mil comentários que iam na linha a “Mande a @barnfoxclub catar coquinho e deixe eles saberem como são indesejáveis aqui”.

Ryan declarou uma emergência de aluguel de moradias quando as propriedades começaram a ser vendidas ou convertidas em Airbnbs de longa estadia e os valores dos aluguéis dispararam, limitando as opções para os moradores da classe trabalhadora, muitos dos quais foram prejudicados pela pandemia. Candida Ellis, corretora de imóveis de Woodstock, perguntou: “Onde todos os gerentes, jardineiros, governantas e garçons vão ter que viver para sustentar essa ideia de que temos essas cidadezinhas charmosas?”.

Bill McKenna, supervisor da cidade de Woodstock, fechou duas piscinas naturais muito queridas por causa da superlotação e do lixo. Acostumado a enviar 60% dos boletos do imposto territorial da cidade para outros lugares, ele está entusiasmado com o fato de mais famílias terem se mudado para viver aqui em tempo integral, já que a população local já estava ficando velha-o-bastante-para-ter-ido-a-Woodstock em 1969. Ele tem esperança de que os novos moradores se interessem pelo legado artístico e ambiental da comunidade. As pessoas também correram para cá depois do Onze de Setembro, mas se mudaram de volta pouco depois. Mas isso foi antes do Zoom e do incentivo para os empregados trabalharem de casa.

'Morar na cidade já não era a mesma coisa'

Em abril, o designer de móveis Bill Hilgendorf e a diretora de arte Maria-Cristina Rueda se mudaram do Brooklyn para Saugerties. Eles moravam num apartamento de 75 metros quadrados, com seus dois filhos de 9 e 6 anos, o que era bom quando eles podiam sair para o trabalho e a escola, mas se tornou insustentável quando precisaram ficar juntos o tempo todo.

“Os parquinhos estão fechados, todos os parques estão lotados. Morar na cidade já não era a mesma coisa. Não parecia justo com as crianças”, diz Hilgendorf, que já matriculou os filhos numa escola em Woodstock. “Fugir do ritmo da cidade, depois de quase vinte anos, é bem empolgante”.

O fluxo de cidadãos urbanos alimentou demandas por conforto e luxo.

Quer uma piscina? Vai ter que esperar até a primavera de 2022. A empresa de Howard Rifkin instala uma piscina subterrânea por semana de abril a novembro. Piscina, deque e cerca – todo mundo quer esse tipo de obra – ficam por cerca de US $ 65 mil. Em abril, Rifkin já tinha fechado a agenda para todo o ano que vem. (Algumas pessoas também querem um lago artificial).

“Está insano”, diz ele, um bordão muito comum hoje em dia nas montanhas lotadas de Catskills. “Em 44 anos, nunca vi nada igual”.

As escolas particulares têm listas de espera para todas as séries. Quase metade dos 170 alunos da High Meadow School de Stone Ridge, onde a primeira série custa US$ 16.470, são novos da cidade.

“Dá para saber quem são as crianças da cidade grande”, diz o professor da High Meadow, Jamie Burdick. “Eles ficam apontando para as rãs, o peru e o veado perguntando: ‘O que é isso?’”.

“As pessoas ficam surpresas quando veem que temos ursos”, diz a escritora Emily Kimelman. “Sim, você mora em Bearsville, a vila dos ursos.”

Don e Susan LaSala são donos de uma casa cor-de-rosa histórica em Saugerties, onde a banda de rock The Band morou e escreveu o álbum Music From Big Pink (1968) e, junto com Bob Dylan – que bateu com sua motocicleta Triumph em Woodstock dois anos antes – criaram The Basement Tapes. (A casa está disponível para aluguel por US $ 550 por noite).

“É uma infiltração de pessoas que não entendem nada sobre a vida no campo”, diz Susan, de pé na sala de estar da Big Pink. “Eles não respeitam. Só querem ter gramados imensos.”

Don diz: “É como a Joni Mitchell cantava, ‘temos que nos levar de volta para o jardim’”, em sua canção Woodstock. “Essas pessoas estão tentando transformar este lugar em outra coisa. Vão acabar pavimentando o paraíso”.

O cenário político já havia começado a mudar. Em 2016, o 19º distrito congressional votou em Donald Trump, depois de ter ido com Barack Obama em 2008 e 2012. Dois anos atrás, seis democratas desafiaram o deputado republicano John Faso. Antonio Delgado, que se mudou para o distrito em 2017 depois de trabalhar na cidade, venceu Pat Ryan, representante do condado cuja família morava em Ulster havia cinco gerações.

Amanda e Anthony Stromoski se mudaram para Kingston há quatro anos (sim, vindos do Brooklyn) e abriram o Rough Draft Bar & Books um ano depois, numa antiga escola de 246 anos. “Tem uma grande porcentagem de pessoas que nunca vimos antes”, diz Amanda, sentada perto do bar da loja.

“É complicado. Nós próprios fazemos parte da gentrificação”, diz Anthony. “Estamos preocupados com a possibilidade de muitas vitrines vazias vierem a ser ocupadas por lojas inacessíveis às pessoas que vivem aqui”.

Os lugares não são estáticos. Eles mudam o tempo todo, embora alguns mudem mais devagar do que outros. Muito tempo atrás, Kingston foi o lar de um enorme campus da IBM, que fechou no início dos anos 1990, fazendo com que a região perdesse 8 mil empregos. Dos anos 1920 até 1960, as montanhas de Catskills eram conhecidas como o Cinturão Borscht. (Dirty Dancing e parte de A Maravilhosa Sra. Maisel se passam aqui). Os woodstockers mais velhos de hoje também já foram recém-chegados.

A instrutora de ioga e cineasta Kate Hagerman mora perto de Bearsville. Sua filha de 5 anos, Nell, nada num riacho que passa por sua propriedade enquanto o barulho constante de construção reverbera pela montanha.

“Woodstock está embalada”, diz ela. “Não acho que vá voltar a ser uma cidade pequena.”

Hagerman fala de uma família que decidiu deixar Woodstock, não por causa da densidade, mas para tirar vantagem do mercado frenético e borbulhante do condado de Ulster.

“Eles estão vendendo na alta e comprando na baixa”, diz Hagerman. “Eles me disseram que, se os tempos não estivessem tão ‘malucos’, jamais teriam vendido.”

E, comprando na baixa, eles estão voltando para a cidade grande. / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.