Em uma loja bem longe de você

Direto de Indio, Califórnia. Só tem uma coisa desviando (um pouco) a atenção do megafestival Coachella Music & Arts, que ocorre com 140 bandas neste final de semana no deserto californiano.

Lúcio Ribeiro, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2010 | 00h00

Hoje, nos EUA, é comemorado o Dia das Lojas de Disco. Enquanto as imensas cadeias de "record store" foram falindo nesta impiedosa era da internet, as pequenas lojas de discos, voltadas à cultura independente, seguem fiéis à causa, do jeito que dá. Criado em 2007 por um balconista de uma loja de discos do Maine (New Hampshire), o Record Store Day, celebrado sempre no terceiro sábado de abril, virou uma festa da música que cresce a cada ano e já conta com a adesão de mais de 800 lojas indies da América. E está começando a ficar internacional: Suécia, Itália, Japão, Finlândia, França e, claro, o Reino Unido também fazem a festa.

No ano passado, o Dia das Lojas de Discos contou com cerca de 650 eventos nos EUA, desde lançamentos exclusivos a showcases com artistas do nível de Leonard Cohen, Bob Dylan, Iggy Pop e Wilco. Para este terceiro ano, o "feriado indie" contará hoje com show exclusivo da renascida banda Smashing Pumpkins (foto) na colossal loja Amoeba de Los Angeles. De quebra a banda lançará na Amoeba, também hoje, um EP especial, já antecipando a chegada de seu novo álbum, que sai no final de maio.

Um dia para não esquecer

Um dos principais eventos pop do planeta, que ainda na primavera abre os megafestivais de verão, Coachella Music & Arts traz hoje em sua programação a "invasão americana" do inglês Muse; a bagunça metal do Faith No More; o MGMT tocando seu novo disco hippie; a sensação britânica de pop delicado The XX; a celebração de amor e amizade indie da banda de meninos Girls. Mais: Hot Chip, Gossip, Camera Obscura, Dead Weather, Devo...

O iPad e a Billboard

Você sabe quando uma coisa está em plena revolução e de pernas para o ar (no caso, os novos costumes de consumo musical) no momento em que uma revista como a americana Billboard traz na capa "o iPad e seus aplicativos matadores." Feita a serviço da indústria musical e para informar as paradas de discos mais vendidos em várias categorias, uma capa como esta recente da Billboard, um dos últimos pilares da velha indústria (gravadoras, vendagens de discos físicos), é de causar reflexão sonora.

Fones de diva

Falando em iPad, entrar numa loja como as imensas da Apple, nos EUA, em época de lançamento de qualquer coisa da marca, requer preparo físico para enfrentar a multidão. O mágico iPad domina a atenção, mas em um cantinho da loja um artigo consegue reluzir: são os fones especiais da espalhafatosa Lady Gaga. Custa US$ 120, tem fitas em vez de fios, pode ser vermelho, prateado e preto brilhoso e, claro, vem com uma plaquinha com o nome da cantora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.