Matt Kennedy, Annapurna Pictures
Matt Kennedy, Annapurna Pictures

Em tom de comédia, ‘Vice’ refaz a história do político Dick Cheney

Cômico e sarcástico, o filme fala de coisas sérias, como os limites de transparência da democracia

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

31 Janeiro 2019 | 05h00

A certa altura, Lynne Cheney proclama: “Se você tem algum poder, alguém vai tentar tirá-lo de você. Esta é a única verdade.” Lynne (Amy Adams) é esposa de Dick Cheney (Christian Bale), protagonista de Vice, de Adam McKay, indicado em oito categorias do Oscar, inclusive melhor filme e ator – Bale divide o favoritismo com Rami Malek, de Bohemian Rhapsody. Bem, num ponto Lyne Cheney está certa: a coisa toda gira em torno do poder. Poder, poder e poder. Ela fala com propriedade, pois está casada e profundamente envolvida com um homem que só pensou nisso quase a vida toda, Dick Cheney, todo poderoso vice-presidente dos Estados Unidos no governo de Georges W. Bush. 

O filme é a história dessa trajetória política singular. Não segue a receita das obras do gênero que estamos acostumados a ver. Assume, sem nada esconder, seu caráter hipotético. Anuncia, como se fosse engraçado, que fizeram de tudo para chegar à verdade dos fatos. Mas isso seria difícil, senão impossível, no caso de um personagem que sempre fez de tudo para se esconder e, sobretudo, ocultar a real natureza dos seus atos. 

Assim é Cheney, retratado de forma brilhante por Bale, da juventude à maturidade. Cheney se aproximou do Partido Republicano ao pressentir que havia ali uma oportunidade de ascensão social. Inocente e novato, foi discípulo de um grande mestre, Donald Rumsfeld (Steve Carell), astuto como um Maquiavel do Novo Mundo, e sem resquício do refinamento e dos raros escrúpulos morais do mestre florentino, autor de O Príncipe. 

A estratégia de McKay em Vice consiste em nos jogar num universo dúbio, em que a farsa é vizinha da realidade e com ela se confunde. Rimos com o personagem, mas sentimos que esta é uma graça amarga, pois reage às artes da manipulação política quando levadas ao seu ápice. Em síntese, rimos para não chorar. 

Vice parte da juventude de Dick Cheney para retratá-lo como um estroina que bebia demais e não tinha coisa que prestasse na cabeça. Sua salvação, se o termo cabe, deve-se à então noiva e depois esposa, Lynne Vincent. Esta Lady Macbeth dos tempos modernos um dia encurrala o noivo e lhe pergunta se deseja ser alguém na vida ou estava conformado em ser um bêbado qualquer. Esse seria o impulso psicológico que faltava para Cheney entrar para a política e buscar o destaque, sem qualquer outra consideração que não o sucesso. É uma hipótese, claro, mas faz sentido no contexto de um país que coloca o êxito como objetivo supremo e tem na palavra “loser” (perdedor) a sua pior ofensa. 

Cheney decide ser um vencedor. E, como tem em Rumsfeld um excelente mestre, aprende a escolher os caminhos certos e trilhá-lo com o foco permanente na acumulação máxima de poder. Dessa maneira, seguimos as peripécias de Cheney rumo ao topo, e à espera de uma grande oportunidade. 

Esta surge quando Bush o convida para vice de sua chapa. A princípio, Cheney não se mostra disposto. Considera a vice-presidência cargo decorativo, vizinho ao poder mas sem exercê-lo de fato. A não ser…

A não ser que consiga convencer o candidato a conceder algumas alterações nos atributos do cargo. Que tal, por exemplo, dar ao vice o comando das Forças Armadas e da diplomacia, incluindo-se aí, é claro, a CIA e todas as operações, legais ou ilegais, realizadas no exterior? Mas será algum candidato a presidente tolo o suficiente para abdicar parte considerável do poder que terá caso eleito e transferi-la para seu companheiro de chapa? Na interpretação do filme, esse candidato se chama George W. Bush. Cheney teria aceitado concorrer, mesmo se Bush negasse seu pedido? Não se sabe; tudo é especulação. Mas, como o jogo do poder é parecido com o pôquer, se Cheney estava blefando, ganhou aquela mão, mesmo sem ter ótimas cartas. 

Do ponto de vista cinematográfico, esta é uma das sequências chave do filme. O pôquer entre Bush e Cheney, no qual se disputam parcelas de um futuro e hipotético poder. Talvez se possa criticar o jeito um tanto caricato com que Bush é interpretado por Sam Rockwell. Seu jeito simplório, tosco mesmo, diante de um aliado/adversário a manejar como mestre as artes da astúcia política. Mas, como se sabe, tanto Bush como Trump e outros políticos em outras latitudes fazem de sua falta de refinamento e limitação cultural trunfos para ganhar o voto do “homem médio”, ressentido, anti-intelectual e mais propenso a seguir palavras de ordens que pensamentos complexos. 

De qualquer forma, foi assim que Bush chegou ao poder – levando com ele Cheney. Quis o destino que a dupla se defrontasse com o grande desafio do 11 de setembro de 2001, o ataque da Al-Qaeda aos Estados Unidos com a destruição das Torres Gêmeas em Nova York. Foi um fato que mudou a história da humanidade, para pior provavelmente, logo no alvorecer do século 21. 

De acordo com o filme, Cheney teria assumido papel protagonista em uma situação de urgência bem acima da capacidade de reação de Bush Jr. Teria sido o vice, então, o promotor da implacável caçada à Al-Qaeda e ao seu líder máximo, Osama Bin Laden (que seria encontrado e morto apenas no governo Obama). Teria saído de Cheney a ideia da invasão do Iraque e a deposição (e depois execução) de Saddam Hussein, a pretexto da existência de armas de destruição em massa. Como se sabe, essas armas jamais seriam encontradas. Mas, então, a invasão do Iraque, riquíssimo em petróleo, já era fato consumado. 

Como filme, Vice é construído sobre essas manobras de bastidores, em que o poder se move em direção a áreas de interesse, usando pretextos nem sempre críveis e poucas vezes éticos. Daí o charme oculto desses manipuladores que, sem ocupar a ribalta, são os que de fato conduzem o jogo. 

Mesmo nas democracias, já aprendemos, às vezes com muito sofrimento, o poder mantém suas zonas de sombra. Nem tudo vem a público, ou vem tarde demais, ou de forma incompleta, a pretexto da “segurança nacional”. Sob a forma cômica mordaz, Vice reafirma essa opacidade do poder e nos traz alguma coisa a mais. Em tom sarcástico, insinua os limites da democracia e sua ilusão de transparência, mesmo em países de instituições sólidas como os Estados Unidos. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.