Em tempos de crise, moda investe no 'preto básico'

Não é em cima do salto alto que a moda e os seus consumidores estão enfrentando a crise financeira global, mas com os pés bem no chão. A indústria fashion se arma contra o furacão que se anuncia tingindo as suas próximas coleções de preto e limando excessos, como mostrou a São Paulo Fashion Week Inverno 2009, em janeiro. Já a clientela tem na mudança de hábito o seu grande trunfo para sobreviver à recessão: a ordem é segurar o cartão de crédito, investir no "pretinho básico" ou ainda buscar cabideiros alternativos, como os das feirinhas da cidade.?O preto é a cor mais aceita pelos consumidores, tem um poder enorme de sensibilizá-los, em qualquer cenário econômico?, diz Rufino Luís Martins, professor de Varejo da pós-graduação em Moda do Senac-SP. Assim, ao dominar a cartela dos estilistas da SPFW, o breu mostrou que a primeira arma de quem vive de roupas é a defesa: em tempos de crise, ninguém quer arriscar, para não encalhar nos estoques. ?A recessão deixa a moda menos audaciosa e as cores tradicionais retornam. Com o preto, a chance de erro é mínima?, completa Nivaldo Ferraz Ferreira Júnior, vice-presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) do Bom Retiro. E Martins completa: ?Com a alta do dólar, as roupas importadas estão muito caras, o que favorece a indústria brasileira?. ?Os consumidores vão deixar de comprar bens duráveis, como carros e celulares, e optar pelos menos duráveis, como as roupas?, emenda o vice-presidente da CDL. ?No Bom Retiro, a perspectiva de crescimento para este ano é de 15%.? As informações são do Jornal da Tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.