Imagem Roberto DaMatta
Colunista
Roberto DaMatta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Em quem e como votar?

Quanto mais impessoal, rígido e distante é o Estado, mais complacente será o governo

Roberto DaMatta, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2018 | 02h00

Não há nada pior no Brasil do que não saber com quem se está falando. Aqui nós não nos apresentamos, somos apresentados e logo viramos amigos de infância. Nos Estados Unidos usam-se etiquetas, coisa impensável num país de celebridades esquecido de sua matriz aristocrática, patriarcal e escravocrata atada, porém, a uma república de raros republicanos.

A impessoalidade nos ofende porque somos obrigados a saber com quem falamos. Quando saímos de nosso segmento, sofremos o desconforto de viver o mal-estar imposto por um individualismo tocado a liberdade com igualdade. Entre nós a democracia é desejada, mas a sua alma igualitária é um problema. Como viver num lugar no qual o não saber o seu lugar é um direito? 

Como e em quem votar sem o rumo das segmentações tradicionais? Não seria um absurdo permitir tantos presidenciáveis? Se o presidente é o “supremo mandatário da nação” e não a encarnação republicana no seu desejo cívico e se ele reina e fica acima das leis, como votar em sujeitos sem linhagem? 

Vivemos desilusões. O que tipifica a maioria das promessas eleitoras é o milagre de dissolver a calamidade promovida pelo governo com o uso do seu outro lado: o Estado. Essa é a matriz o que o centrão, o esquerdão e o direitão oferecem ao eleitorado. As “esquerdas” e o “centro” vão da receita razoável às utopias sem as quais nem os governados por Donald Trump conseguiriam tocar a vida. No lado da “direita”, entretanto, esse setor que os cientistas políticos garantiam ser básico numa democracia, há promessas de retornos indesejáveis porque nenhuma ordem democrática pode se realizar pregando o preconceito de raça e de gênero e o cerceamento de adversários rotulados como “comunistas”.

Política é ponte. Não pode voltar a ser o caminho da censura, do medo e do patíbulo. A mentira, a hipocrisia, o compadrio ladravaz (de sangue, partido ou ideologia) – esses irmãos da corrupção e do radicalismo – são (vale lembrar Durkheim) inexoráveis, desde (nota bene) que jamais sejam transformados em ideais ou valores. Todos morreremos, mas não transformamos a morte em programa. Todos mentimos, mas não escolhemos a mentira com tamanha determinação como fazemos neste Brasil adormecido por ilusões ideológicas. 

Tenho sido chamado de conservador e, mais recentemente, de homofóbico e golpista simplesmente porque na minha obra tenho desmistificado a idealização do Estado como um instrumento fundamental e, para muitos, exclusivo de bem-estar social. Nosso salvacionismo está obviamente acasalado a pessoas (Pedros, Getúlio, Jânio, JK e Lula), mas, embora pessoal, ele exige a posse do aparelho estatal. A chamada revolução por dentro produz um resultado bem conhecido: ela dissolve as fronteiras entre Estado e governo. Se o Estado tem permanência, os governos passam, mas é precisamente a ausência dessa dinâmica que as ideologias embaralham no Brasil. Quando governo e Estado se culpam e se liquidam entre si, entramos nesse buraco da fechadura sem a chave. Mas, mesmo assim, aprendemos muito sobre os limites das ideologias. 

Hoje sabemos que quanto mais impessoal, rígido e distante é o Estado, mais personalista e complacente será o governo. A malandragem, o jeitinho e o sabe com quem está falando não têm, como querem os ignorantes, origem étnica. São, isso sim, o fruto de um Estado patologicamente fiscalizado acima de tudo com seus inimigos, mas leniente e corrupto com seus aliados.

Um Estado rigidamente ideológico leva à ironia das práticas pessoais e ao culto de personalidade. Seu velho axioma de a lei para os inimigos e tudo para os amigos, esgotou-se. Num mundo digital e dotado de tecnologias de transparência, é muito difícil mentir, ocultar e operar dissimuladamente, por meio de múltiplas éticas. O que hoje se demanda é um diálogo menos antagônico e mais confiável entre Estado e sociedade. É exatamente isso que vai permitir votar sabendo em quem se está votando.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.