Em Nova York, museu apresenta mostra ´feita de chocolate´

A versatilidade do cacau e a arte de produzir de seu principal derivado, o chocolate, são apresentados em uma extravagante mostra que começou na sexta-feira em Nova York, com a participação de empresas de países como Suíça, EUA e Venezuela.Chocolate Show, instalada na sala de convenções do Metropolitan Pavilion, retrata uma cidade, com avenidas e ruas com nomes como Grão de Cacau e Chocolate Meio-amargo - é uma grande festa para os amantes do doce.A exposição reúne, durante o fim de semana, 65 pequenos negócios, lojas gourmets e ´boutiques´ do chocolate, que apresentarão suas receitas originais e inovadoras, combinações de sabores originais e produtos de alto valor artístico.Esta celebração do chocolate em todas suas formas inclui a apresentação de novos produtos, demonstrações culinárias, obras de arte de chocolate e até uma "Coleção de moda do cacau".O chocolate e suas inúmeras utilidades O chocolate foi amplamente venerado e utilizado de maneiras pouco convencionais desde suas origens, há milhares de anos, no Império Asteca.O cineasta Alfred Hitchcock usou xarope de chocolate para representar sangue em seu filme Psicose, enquanto o artista brasileiro Vik Muniz o emprega em sua série fotográfica Pictures of Chocolate.Como a confeitaria não é o único destino do cacau, a mostra Chocolate Show inclui um salão de coquetel, com drinks que misturam licor e chocolate, e um salão de beleza com produtos como loção a base de manteiga de cacau.A exibição é um prazer tanto para especialistas como para iniciantes no assunto, ao apresentar as muitas maneiras nas quais este alimento pode ser "experimentado". Entre os destaques está um vestido de noiva de chocolate branco desenhado pelo estilista Carlos Linzan.Tendência: combinar chocolate com ingredientes e temperosO Museu Nacional do Peru expõe dez obras de arte em chocolate e açúcar, enquanto o artista Jeff Shepherd faz "pinturas comestíveis", telas de chocolate branco com moldura de chocolate preto onde pinta paisagens com manteiga de cacau colorida.Uma das tendências da mostra é a combinar chocolate com ingredientes e temperos, como chá verde, batata frita, alfazema, gengibre e pimenta malagueta.Durante o fim de semana, vários chefs de cozinha criarão receitas mostrando que o chocolate também pode ser usado em diversas receitas culinárias, inclusive em pratos com peixe, azeitonas, pato ou mesmo ´foie gras´. Também pode ser combinado com bebidas alcoólicas diferentes do conhaque, como champanhe e vinho.CacauA chocolataria Romanicos, fundada em Miami pela venezuelana Alejandra Bigai, lança neste espetáculo duas novas coleções: Nostalgia Havanesa, bombons de café com leite, e de goiaba e queijo, inspirados na comunidade cubana, e Tropical, com manga, maracujá, laranja e abacaxi.A Romanicos é uma das poucas empresas da exposição que utiliza cacau venezuelano, conhecido por sua alta qualidade.Segundo Claude Schellenberger, gerente de vendas da chocolateria suíça Felchlin, apesar de o cacau de melhor qualidade ser o do México, da Venezuela e de outros países da América do Sul e da América Central, as grandes indústrias estão utilizando os grãos mais baratos e de produção maciça da África."Voltamos às raízes. O melhor cacau vem dali, embora seja quatro vezes mais caro que o da África", disse o representante, que utiliza matéria-prima da Venezuela, da Bolívia e da República Dominicana.Outros participantes da exposição são Ilene Shane, que, após trabalhar oito anos como chef de cozinha particular do estilista Ralph Lauren, decidiu montar seu próprio negócio, a chocolateria Sweet Bliss, e a empresa Mary´s, que faz bombons com sabores japoneses, como wasabi, sésamo, soja, saquê e batata doce.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.