Em Marte

A Nasa está escondendo, mas a tal sonda robô mandada a Marte já encontrou sinais de vida no planeta vermelho. Mais do que sinais de vida, encontrou um ser vivo. Mais do que um ser vivo, encontrou vários seres vivos, que no momento cercam o artefato que pousou entre eles de surpresa e tentam comunicar-se com ele. A Nasa tem censurado as fotos mandadas pelo robô em que aparecem os marcianos à sua volta e está tentando interpretar o que eles dizem, numa língua que parece o iídiche com mais consoantes.

VERISSIMO, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2012 | 03h09

0 0 0

Até agora os técnicos da Nasa conseguiram decifrar apenas alguns trechos do que os marcianos estão dizendo para o robô, e comentando entre si. Já identificaram frases inteiras, como "Alô, como é seu nome?" e "De onde você veio?" e "Quem vai pagar este estragos no meu quintal?". Os marcianos parecem amistosos mas ficam vez mais impacientes com o laconismo do robô, que não responde nem a perguntas simples como "Você quer água? Ou "Tem fome?" Ou "Precisa ir ao banheiro?".

0 0 0

Os marcianos estão perto de concluir que o estranho em seu meio vem de um planeta em que ainda não desenvolveram a fala, o que dirá a boa educação. Comentam a aparência física do estranho.

- Rodas em vez de pernas. Interessante.

- Odiei a roupa.

- Como será que eles se reproduzem?

- Só você para pensar nisso...

- Curiosidade científica!

- Devem usar esta haste com uma bola na ponta.

- Não, isso é o olho.

- Vocês já notaram que até agora ele não piscou?

- Deve estar aterrorizado. Não sabe onde veio cair.

- Vamos fazer uma demonstração de paz, para ele sentir que está entre amigos. Atenção: abraço coletivo. Todo o mundo. Iei!

- Cócegas não, que ele pode ficar irritado.

- Vocês viram só? Nenhuma reação.

- Ele parece uma máquina!

0 0 0

O consenso entre os marcianos é que o ser que caiu do céu vem daquele planeta azul que eles chamam de Schlops, que - isto é pura especulação dos tradutores da Nasa - também é a palavra deles para "titica". Os marcianos nunca tiveram muito interesse em conhecer melhor o planeta azul e agora, depois da experiência ruim com aquele seu antipático representante, têm menos interesse ainda. Não querem nem imaginar como são seus semelhantes.

0 0 0

Decidem levar o visitante para um hospital, para ele se recuperar do choque, se alimentar e, se possível, começar a se comportar com um pouco mais de civilidade. Só quem protesta é o dono do terreno onde o estranho pousou.

- Quero ver quem vai pagar os estragos no meu quintal!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.