Em Madri, Gilberto Gil diz que Brasil é 'uma potência doce'

Na Feira do Arco, ministro afirma que 'arte feita no Brasil é cada vez mais apreciada como valor de mercado'

Ansa,

13 Fevereiro 2008 | 15h01

O ministro da Cultura, Gilberto Gil, afirmou nesta quarta-feira, 12, durante sua visita à Feira Internacional de Arte Contemporânea de Madri (Arco), que o Brasil é "uma potência doce" de cultura. Este ano, a Feira, que teve abertura nesta quarta, é dedicada ao Brasil.   Veja também: Brasil é homenageado na Feira de Arte Contemporânea de Madri   O ministro afirmou que "isso se deve a diversidade étnica do Brasil, sua grande dimensão territorial, seu protagonismo na Ibero-américa e sua inserção mundial".   "A arte contemporânea que é feita no Brasil é cada vez mais apreciada como cultura e como valor de mercado, e ao governo brasileiro interessa muito ter um papel de colaboração e de ajuda para fomentar o desenvolvimento dos processos dessa cultura", disse Gil.   Nesse sentido, Gilberto Gil destacou que "a dimensão econômica da cultura é irrecusável".   A Feira, que se encerrará na próxima segunda, conta com 295 galerias de 34 países.

Mais conteúdo sobre:
Gilberto Gil Arco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.