Em Frankfurt, o livro brasileiro em sua melhor forma e conteúdo

No pavilhão que reúne editoras de livros de artista e de livros de arte, será montada uma versão ampliada da exposição Além da Biblioteca

MARIA FERNANDA RODRIGUES, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2013 | 02h13

O livro brasileiro estará presente em todos os seus formatos ao redor da Feira do Livro de Frankfurt, que em outubro homenageia o País. No pavilhão que reúne editoras de livros de artista e de livros de arte, será montada uma versão ampliada da exposição Além da Biblioteca, exposta duas vezes em São Paulo e uma em Tóquio. Numa área de 60 m², o público poderá ver e manusear trabalhos de 12 artistas que têm no livro o seu objeto ou inspiração: Edith Derdyk, que participa com Fresta(foto), Lucia Mindlin Loeb, Fabio Morais, Marcius Galan, Ana Luiza D. Batista, Chiara Banfi, Daniel Escobar, Jimson Vilela, Lucas Simões, Marcelo Silveira, Marilá Dardot e Odires Mlászho. A curadoria é de Ana Luiza Fonseca. Trata-se de uma parceria entre dois projetos da Apex: o Latitude, para exportação da arte contemporânea, e o Brazilian Publishers, da literatura.

FESTIVAL

Uma nota, maestro

Na mesa que vai reunir o cronista do Caderno 2 Ignácio de Loyola Brandão e o jurista Eros Grau na Pauliceia Literária, dia 20 de setembro, quem escolhe o tema é a sorte. O público enviará previamente sugestões de assuntos para a organização, que sorteará os tópicos na hora. A aposta é no improviso e no jogo de cintura dos convidados.

DIREITOS - 1

O samba de Paulo Lins

O escritor Paulo Lins, de Cidade de Deus, vendeu mesmo os direitos de seu livro mais recente, Desde Que o Samba É Samba (Planeta), para a Mira Filmes. E vendeu também para a editora francesa Asphalte.

DIREITOS - 2

A invenção do homem

A Máquina de Madeira, último lançamento de Miguel Sanches Neto, sairá em francês, no Canadá, pela Lux. O romance é sobre o padre pernambucano Francisco Azevedo que, no final da década de 1850, inventou uma máquina de escrever. Uma década depois, ele veria sua invenção patenteada pela americana Remington.

COLETÂNEA

Casa (de praia) editorial

Reinaldo Moraes, que tem livros pela Objetiva (Pornopopéia) e Companhia das Letras (Tanto Faz), lança O Cheirinho do Amor. 30 Textos Escolhidos a Dedo, com textos feitos para a Status, pela santista Realejo no fim do ano.

JUVENIL

Primeiro no digital

Na Escuridão (prêmio Printz), de Nick Lake, será lançado pela Geração em e-book em setembro e em papel no ano que vem. A obra conta a história de garoto haitiano que se recuperava de um tiro quando o hospital em que está é derrubado pelo terremoto de 2010. Na escuridão, ele rememora sua trajetória e a de seu país.

HISTÓRIA

Política teatral

A editora da FGV lança nos próximos dias A Política dos Palcos, de Angélica Ricci Camargo. A obra aborda as tentativas de construção de uma política para o desenvolvimento do teatro no País.

ENSAIO

O original e a cópia

Com tradução de Gabriel Valladão Silva e organização e apresentação de Márcio Seligman Filho, a L&PM edita, em agosto, A Obra de Arte na Era de Sua Reprodutibilidade Técnica, de 1936, de Walter Benjamin (foto).

FILOSOFIA

A última que morre

O filósofo italiano Paolo Rossi (1923-2012) resgata a trajetória do conceito de esperança ao longo da história e das diversas culturas em Esperanças, lançamento da Unesp para o mês que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.