Em cena

(Re)definir valores

Chris Melo, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2010 | 00h00

Ontem em Milão começou - e vai até dia 18 - o Salone Internazionale del Mobile e as conversas da cidade ecoam o mote da Semana de Design milanesa: inovação e renovação de métodos e materiais para designers - e a indústria de produção - formarem uma nova cena, de acordo com os valores contemporâneos.

Zeitgest! O zine Apartamento é buzz em Milão - e o conceito vai ao encontro à seção wabi-sabi Suíte32, que será publicada no estadao.com.br/blogs/chris-mello às sextas-feiras, a partir desta.

__

Suíte32 vai mostrar como vivem na real os designers, estilistas e pessoas interessantes que formam a massa criativa do País. Material humano puro para entendermos porquês e quereres de personagens que pautam a o consumo.

Apartamento é feito entre Barcelona e Milão via skype, pelos espanhóis Nacho Alegre, Omar Sosa e Albert Folch, baseados em Barcelona, e pelo milanês Marco Velardi. O zibe vai contra o décor polido, milimetrado e sem personalidade. Mostra camas desarrumadas, gavetas caóticas e coleções como o do artista Terence Koh.

Em NY, o fotógrafo Todd Selby faz o he Selby Is In Your Place, já editado em livro que Karl Lagerfeld lia anteontem na FoodMarketo, em Milão.

Zípper: novos artistas do velho Cimino

Há dezenas de novos espaços para mostrar arte de gente jovem. Só que quando um tubarão da velha guarda como Fábio Cimino surge com o mesmo discurso da Geração Y, ops! Há algo aí. A agência Box 1824 investigou a seara das artes e, munido de infos, Cimino constrói a Zípper Galeria. E conta tudo ao Estado:

Por que arte de gente nova?

Tubarão também muda de refeição! Não aguentava mais trabalhar com antigos talentos. Os novos estão aí; não quero me repetir. Uma galeria composta 100% de jovens, conduzida por um galerista experiente. Nesta vida, nascer e morrer várias vezes me fortalece.

As gerações 90 e 2.0 são tagueadas como contemporâneas, porém a sensação de "contemporâneo" hoje remete ao que cerca geração Y. Pode explicar sua visão de artista contemporâneo?

Formataram o artista contemporâneo e com isso ele não é capaz de mudar mais nada. Tem bula e já se sabe os efeitos colaterais. Quero ver mais liberdade para o que nasceu livre. Só assim o artista muda o agora, entende? Um novo ciclo!

Você foi atrás de que tipo de sensações e que tipo de gente? Foi um ano de pesquisa. Olhamos uns portfólios e ouvimos críticos da nova geração. Daí, um ouve falar que estamos fazendo isso, indica, a gente chega ao estúdio, conversa com o cara, ouve música nova, vê que é um artista que faz o que quer e não o que acha que o curador Fulano de Tal vai querer ver.

O nome Zípper vem de...

Vem da invenção, de coisa prática. E tem um mistério, uma provocação de ir abrindo o zíper, mostrar o que tem do outro lado, do que vai sair ou entrar. É onomatopeico, gostoso de pronunciar. "A Zípper abre boas exposições e fecha bons negócios", recebemos esta mensagem no facebook da Zípper!

Pode explicar o projeto de Rosenbaum para a Zípper?

Terá arte, café, mesas. O endereço já foi o Mirante das Artes, do Bardi, e é para continuar a ser um lugar para olhar a paisagem artística com amplidão.

Na prática

A teoria dos 6° de separação surgiu de estudo que mostra que são necessários seis laços de amizade para linkar duas pessoas quaisquer. No Lions, a teoria aplicada à música por Tibira deu em:

A DPZ-Rio faz 40 anos e anuncia uma nova agência, a DPZRIO10. À frente da agência estão Frê Zaragoza, diretor de Assuntos Estratégicos, e Rubem Duailibi, de Novos Negócios. Mais o produtor cultural Ricardo Caracas e o marqueteiro Carlos Campana. Querem abraçar o esporte em terreno carioca.

Até então não havia em São Paulo um restaurante turco. E é um empresário libanês, Souheil Salloum, quem está à frente da Brasserie Kösebasi, com obra em finalização no no Itaim. A cozinha é tradicional do sul da Anatólia - e a brasserie, uma rede com restôs em NY, Atenas e Dubai.

Mais que realidade: mix-mídia

Uma imagem vale mais do que mil palavras. Só que hoje uma imagem não basta. O fotógrafo de moda Daniel Klajmic captou a mensagem, entendeu como se faz um bom vídeo e, num job dividido com o diretor Guga Sander, estreia como diretor de campanha eletrônica de moda. Upgrade na carreira - e na imagem das Lojas Marisa. Mais: Klajmic entra para o time de artistas da marchande Gigi Basto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.