Em Cannes, tudo por dinheiro

O tema está dentro e fora de concurso, com The Housemaid, de IM Sangsoo, e Wall Street 2, de Oliver Stone

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2010 | 00h00

E se Oliver Stone for a versão ficcional de Michael Moore? No caso de Wal Street 2 - Money Never Sleeps, é. O filme ficcionaliza Capitalismo - Uma História de Amor. É sobre o poder corruptor do dinheiro que nunca dorme, sobre predadores que brincam com as economias (e os destinos) dos outros pelo prazer do jogo. É sobre família. Gordon Gekko, 22 anos depois do primeiro filme, passou oito anos na cadeia, da qual saiu disposto a retomar seu lugar no mundo das finanças. Num mundo que perdeu o sentido da ética - o capitalista decente, pois existem, ou melhor existiam, mata-se logo no começo.

Era o mentor de Shia Lebeouf, que, por coincidência, é o par da filha de Gekko, aliás, Michael Douglas. A garota é interpretada por Carey Mulligan e na ausência de Frank Langella, o suicida, encarna o centro moral de O Dinheiro Nunca Dorme. O pai engana o genro e a filha, mas tem direito a uma segunda chance. O grande vilão de toda essa história de dinheiro é Josh Brolin que, não por acaso, interpretava o ex-presidente em W, a cinebiografia de George W. Bush, pelo próprio Stone.

O filme é bom - Michael Douglas é ótimo, mas Frank Langella é melhor do que ele -, mas terá críticos para contestá-lo, dizendo que a proximidade de Stone de Hugo Chávez, Evo Morales e Raúl Castro - todos personagens de seu documentário em processo, South of the Border -, está comprometendo sua visão de mundo (e do cinema). Wall Street 2 está passando fora de concurso aqui em Cannes. Curiosamente, o dinheiro também nunca dorme no filme coreano da competição, The Housemaid, de IM Sangsoo. É o remake de outra produção coreana dos anos 1960.

Uma garota vai trabalhar na casa de um bilionário. De novo, a família. O pai é um dândi que toca Beethoven com a mesma disposição com que faz sexo - são suas "diversões". Ele seduz a empregada. Ela engravida.

A sogra e sua mulher grávida são duas pestes que vão forçar a garota a abortar, ajudadas pela governanta. Há uma menina, que seria mais ou menos Carey Mulligan. O centro da gentileza na casa. A "housemaid" vai se vingar justamente por meio dela. O filme foi visto por críticos brasileiros como uma telenovela. Em qual canal? The Housemaid tem mais terror do que Thirst, o coreano do ano passado. Contra toda essa barbárie disfarçada de civilização mais nos valem as curvas de Sônia Braga. Vestida de vermelho, ela "baixou" com Hector Babenco na sessão de O Beijo da Mulher Aranha, em Cannes Classics. A atuação de William Hurt continua sendo o forte do filme, mas Sônia renasceu na Croisette, onde já brilhou, no passado, além do filme de Babenco, no de Robert Redford, ... em Milagro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.