Divulgação
Divulgação

Em ‘1889’, Laurentino Gomes mostra o lado pitoresco da queda de Pedro II

Volume fecha a trilogia do autor sobre o Brasil do século 19

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

23 Agosto 2013 | 19h56

A Proclamação da República já estava praticamente decretada, naquele dia 15 de novembro de 1889, no Rio de Janeiro, enquanto o imperador Pedro II, que fora alertado sobre a gravidade da questão, passava uns dias em Petrópolis. Para ele, tudo não passaria de fogo de palha, como era habitual entre os brasileiros. “A monarquia caiu sem reagir: naquele momento, não houve derramamento de sangue, o que só veio ocorrer anos depois”, comenta o jornalista e historiador Laurentino Gomes, autor de 1889, volume que fecha sua trilogia sobre o Brasil do século 19 e que será lançado segunda-feira (26), na Livraria Cultura do Conjunto Nacional.

Como nos livros anteriores (1808 e 1822), Laurentino fez uma pesquisa exaustiva, boa parte realizada nos Estados Unidos, onde morou, no ano passado, em um câmpus universitário no interior da Pensilvânia. “Foi um benefício duplo, pois tive acesso a um valioso material de pesquisa e ainda contei com a tranquilidade de estar longe da rotina no Brasil”, comenta ele, que leu mais de 150 obras e se apoiou, sobretudo, nos livros do historiador José Murilo de Carvalho, uma das principais autoridades no tema.

Em 1889, Laurentino mostra como a República era inevitável, especialmente depois que os militares, principal apoio da monarquia, se sentiram frustrados, mal recompensados e desprestigiados pelo governo – eles reclamavam dos soldos, congelados fazia anos, da redução de efetivos, da demora nas promoções e da falta de modernização dos equipamentos. Além disso, entre os civis, crescia a movimentação republicana, alimentada principalmente pelos cafeicultores. “Ou seja, ninguém defendia d. Pedro II. Assim, o Brasil aceitou a República sem questionar.”

A desconstrução, no entanto, começou anos antes – segundo o historiador, a liberdade de imprensa e de opinião durante todo o Segundo Reinado favoreceu o amadurecimento dos ideais republicanos que acabariam por derrubar a monarquia brasileira. “Com o tempo, d. Pedro revelou-se um homem doente, esgotado por comandar o País por quase meio século, portanto, sem forças para se manter no trono”, observa. “Para completar, havia ainda um componente machista, pois a sucessora direta era a princesa Isabel que, além de mulher, era muito religiosa, conservadora, e ainda casada com um francês, o Conde d’Eu, ou seja, havia a possibilidade de um estrangeiro participar do poder.”

Para finalizar a lista de desagrados com a princesa, a popularidade de Isabel desabou entre os cafeicultores e fazendeiros, grande sustentáculo do império, após a Abolição da Escravatura, em 1888, o que lhes tirou o direito de renovar a mão de obra como se fazia até então.

Se o Império já estava deteriorado, os republicanos também sofriam com problemas na liderança. Laurentino Gomes mostra como o marechal Deodoro da Fonseca, comandante do Exército no levante militar, se manteve monarquista até o último minuto e só deu o grito proclamando a República levado, entre outros, por um motivo banal: ciúmes.

A história é saborosa: Deodoro liderou o golpe que destituiu o gabinete do Visconde de Ouro Preto, seu adversário político, mas, ao longo do dia 15 de novembro, relutou em proclamar a vitória. “Ele mudou de opinião na madrugada do dia 16, quando descobriu que Pedro II nomeara o senador Silveira Martins como chefe do novo ministério. Ora, anos antes, quando governava o Rio Grande do Sul, Deodoro perdera para Silveira Martins a paixão da Baronesa de Triunfo, uma bela viúva. Daí surgiu uma rivalidade que duraria o resto da vida dos dois personagens e, quem diria, levaria à queda da monarquia”, diverte-se Laurentino que, fechado um ciclo, pretende agora a pesquisar fatos históricos, que podem ser a Guerra do Paraguai ou a Inconfidência Mineira. “O certo é que 1889 será o último livro com data e números na capa.”

1889

Autor: Laurentino Gomes.

Editora: Globo (416 págs., R$ 44,90).

Lançamento: Livraria Cultura (Av. Paulista, 2.073). 2ª, às 18h30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.