Elza Soares é aplaudida de pé no Teatro Municipal

A cantora encerrou a apresentação com a canção 'Deixa Isso Pra Lá', sucesso de Jair Rodrigues

Renato Vieria, Paula Carvalho, Luciano Bottini, Guilherme Sobota e Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2014 | 15h12

 A cantora Elza Soares foi aplaudida de pé no início e no fim do show pela plateia que lotou o Teatro Municipal, durante a Virada Cultural, em São Paulo. Com arranjos modernos, ela relembrou o repertório do disco A Bossa Negra, de 1961. Mesmo resfriada, a cantora mostrou o poder de sua voz em músicas como Beija-me.

A cantora encerrou a apresentação com a canção Deixa Isso Pra Lá, sucesso de Jair Rodrigues, que morreu no último dia 8, vítima de ataque cardíaco.

Houve problemas na entrada do público. Ainda havia gente ocupando as frisas do teatro na quarta música. A fila para o show de Elza Soares dobrava o quarteirão do Teatro Municipal.

Em outro palco da Virada Cultural, no Luz, Nelson Sargento fez a plateia rir ao pedir para "molhar a palavra". "Água: final de carreira do malandro", brincou o sambista que completa 90 anos em julho. Logo depois, foi acompanhado pelo público com os versos de Falso Amor Sincero: "O nosso amor é tão bonito / Ela finge que me ama e eu finjo que acredito".

Já no Palco Rio Branco, Romulo Fróes abriu o show com You Don't Know Me. A apresentação faz uma versão do disco "Transa", de Caetano Veloso. Curumin, Rodrigo Campos, Thiago França, Kiko Dinucci e Marcelo Cabral o acompanham na banda.

A Banda Lábios fez show no Palco Braços Abertos, na Cracolândia. Atrás da plateia, na Alameda Dino Bueno, um aglomerado de pessoas consumiam crack como em dias normais.

MC Marechal levantou a galera na Praça da República com Viagem, interpretada junto com o Projeto Nave. Convidados entraram e saíra do palco. Eles cantaram músicas próprias tocadas pelo grupo, que além dos instrumentos eletrônicos tradicionais do rap, usa guitarra e metais.

O músico Falcão divertiu mais cedo com suas músicas debochadas, o público presente no Palco do Arouche. Antes, passaram por ali Márcio Greyck, que atraiu poucos mas entusiasmados fãs; Rosanah, que arrasou, segundo a galera gay; Kátia, e Vanusa, que substituiu Tati Quebra Barraco. Ao contrário de anos passados, a área amanheceu limpa, sem o tradicional e esperado lixo da madrugada. Também as ocorrências policiais foram as de costume.

Tudo o que sabemos sobre:
Virada Cultural

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.