Ellus abre mega loja nos Jardins

A região dos Jardins está definitivamente se transformando numa versão brasileira da Madison Ave de Nova York ou da Rodeo Drive, em Los Angeles. Dos tapumes de alguns meses, hoje se vê lojas grandiosas, modernas e conceituais. A mais nova delas será inaugurada hoje, a Ellus Limited, com direito a uma prévia da coleção inverno 2001, a mesma que será apresentada durante o Morumbi Fashion Brasil. O estilista Nelson Alvarenga adianta: "Será uma coleção inspiradas nos ´school days´, tudo muito ingênuo e sexy ao mesmo tempo", define. Aproveitando a ocasião, a grife pretende associar moda e literatura e convidou a escritora Fernanda Young para criar frases e "mensagens ambulantes" que estamparão as peças de roupa. Para o inverno, Arnaldo Antunes continua a empreitada. A loja de 400 m², pé direito de 8 m e investimento de R$ 1, 5 milhão, vem confirmar a necessidade brasileira de se firmar como criadora de moda. O espaço é a transposição arquitetônica do que a Ellus vêm fazendo desde 1972, quando criou a primeira etiqueta. "Seu ambiente é sua identidade e aqui estou assinando o que eu sou, brasileiro", comenta Nelson Alvarenga. Projetada por Renato Tavolaro, profissional que ajudou a reconstruir a cidade de Parati (RJ), o espaço traz referências brasileiras sem perder a modernidade. O tom azul claro, "bem praia", contrasta com os toques urbanos. A primeira metade da loja é dedicada aos homens, com piso de ébano negro e móveis cúbicos e tubulares brancos. A segunda parte é feminina e invertendo a ordem das cores traz o piso branco com um jardim de palmitos ao ar livre ao lado do ambiente. Segundo Alvarenga, o palmiteiro é o ponto alto; a assinatura da loja: minimalista e com referências nativas. No segundo andar, há um espaço para os complementos (óculos, bolsas, sapatos e bijuterias). Para inaugurar a Ellus Limited, que irá vender três linhas, o jeanswear (roupa para o dia a dia), casual (roupas mais urbanas com materiais mais nobres) e limited (coleções pequenas e mais artesanais), nada melhor do que um desfile. Segundo Nelson, a necessidade de se antecipar a coleção vêm da deformação do calendário do Morumbi Fashion Brasil. "O Morumbi está se transformando num evento de varejo, os estilistas estão votando em prazos mais longos que privilegiam apenas os pequenos negócios", critica Alvarenga. Para a Ellus, que produz 800 itens e trinta mil variáveis, deixar a coleção para mais tarde "é uma postergação da cultura inflacionária que acostumou o lojista a comprar na pronta-entrega". Epitacio pessoa/AEArnaldo Antunes: segredo para o inverno 2001 A inspiração da coleção inverno 2001 é a adolescência, a época de colégio, o começo dos relacionamentos, a vida noturna e o marotismo juvenil. Por isso, metade do elenco de modelos será composto por ´novas caras´. Os materiais e a modelagem serão inspirados nos uniformes, num clima retrô. "Mas sempre com um toque de veneninho", comenta Alvarenga. O veneno serão as saias curtas, os decotes, um buraco que deixa transparecer um pedaço de coxa. Depois de apostar no hippie chic e há duas coleções andar com um pé nos anos 80, a Ellus aposta numa espécie de new punk, "um trash controlado", como define Alvarenga. O couro, o preto, as estampas artesanais e o brilho da purpurina e dos paetês serão ponto alto. Os jeans, é claro, peça chave da grife, vêm desta vez, em versões mais esverdeadas em um tecido usado pelo exército alemão na segunda Guerra Mundial. O grafismo, que foi inaugurado com a jovem escritora Fernanda Young, reconhecida por explorar o universo feminino de forma irônica e bem-humorada, continua. As primeiras frases, mensagens e palavras soltas foram criadas por ela para a coleção verão. Segundo Alvarenga a idéia é usar a roupa para transmitir mensagens, uma terceira dimensão ambulante. "É como a camiseta que desde os anos 70 é usada para passar uma mensagem, é o outdoor mais barato que existe", comenta o estilista. Entre as frases estampadas nas roupas estão "Alguém que me dê brilhantes" ou "Casual o Cacete", a preferida do ator Luiz Fernando Guimarães e da cantora Marina Lima. Uma peça mais diferenciada é uma camiseta que traz a página 19 do novo romance da escritora, ainda sem título, impressa na roupa. Além disso, cada peça vem com uma tira colorida, semelhante às fitinhas do Senhor do Bonfim, com desejos bordados em glitter: ´ganhar um carro no sorteio do shopping´, ´um amante bem vestido´, ´uma coisa que nem eu sei qual é´, ´quero que você me ligue e eu não aceite o seu convite´, entre outros. Ao cortar a fitinha ela vira pulseira. Segredo - Guardado a sete chaves, no inverno de 2001 Arnaldo Antunes entra para o time de literatura e moda. "São poesias, palavras soltas impressas em capotes, jaquetas, calças, etc", adianta Alvarenga. "Tudo isso, explica o estilista, para quebrar a rigidez do fim de milênio, do urbanismo, dos computadores e mostrar que a moda é brincadeira, ela não precisa ser sisuda".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.