Eles não estão no Guinness

O Guinness os ignora. Poucos, além da família e alguns amigos, ficaram sabendo dos seus feitos. Mas eles merecem um registro na História.

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

01 de agosto de 2010 | 00h00

Par Lingstrom - O primeiro homem a tentar chegar ao Polo Norte andando de costas. Ele se deu conta de que tinha errado o caminho quando entrou no quintal de uma casa na Groenlândia e foi corrido por uma mulher depois de pisar no seu cachorro e derrubar a sua roupa estendida

Kurt Grosz - Bateu o recorde de permanência dentro de um domo submerso no fundo do mar na companhia da sogra. Seu recorde não foi reconhecido oficialmente porque ele saiu do domo diretamente para a prisão enquanto o corpo da sogra era removido, pedaço a pedaço.

Santo Armarinho - Estava a dois pastéis de quebrar o recorde mundial de consumo de pastéis quando se engasgou com uma azeitona e teve que desistir. Na volta para a sua cidadezinha de Picuinha de Traz dos Montes foi recebido com uma chuva de azeitonas e gritos de "Ai que sensitivo!".

Giles McGivens - Irlandês que contou a anedota mais longa do mundo. Aliás, ainda a está contando, depois de dezessete anos, dois meses e três dias em que só parou para ir no banheiro do pub ou em casa para dormir um pouco. Há quem desconfie que Giles esqueceu como termina a anedota e por isso está adiando seu final.

Piotr Piovtushenko - Enxadrista russo, tornou-se o herói de certo segmento do público que abomina o crescente domínio da eletrônica sobre as nossas vidas quando, ao sentir que seria derrotado outra vez por um computador de último tipo, saltou da sua cadeira e desligou o computador da tomada. Sua vitória só não foi completa porque o computador continuou funcionando com bateria, derrotou Piotr pela quinta vez e ainda fez um comentário maldoso sobre o seu cabelo.

Muricy Ramalho - Técnico de futebol brasileiro que foi treinador da seleção do seu país por quinze minutos, batendo o recorde anterior que era do húngaro Bratislav Novaski, demitido vinte minutos depois de ter sido apresentado aos jogadores e os convidado para uma festinha na sua casa de campo em que todos deveriam ir fantasiados de divas do cinema ("menos de Angelina Jolie, que sou eu"), para estreitar a relação.

Lucca Gambeletti - Dono de restaurante italiano que, na última contagem, tinha cantado O Sole Mio 40.899 vezes em 30 anos, sem falar nas vezes em que lhe faltou a voz e ele usou uma gravação, fingindo que cantava, e o dia em que falharam a voz e a gravação e ele só fez os gestos.

Dmitri Rapapopulus - Grego que atravessou o Estreito de Bósforo a nado equilibrando uma laranja na cabeça, mas que ao sair da água diante de repórteres e fotógrafos descobriu que tinha perdido o calção. Todos os jornais do dia seguinte, em vez da façanha de Dmitri, destacaram o efeito da água fria no seu pênis. Dmitri hoje está recolhido a um convento na Macedônia, onde medita sobre a condição humana.

Giova Papuz - Tunisiana que detém o recorde extraoficial de embaixadas, mantendo uma bola no ar ininterruptamente há quatro anos, o que não a impediu de casar-se, ter dois filhos, cantar no coral da igreja e terminar seu curso de administração de empresas.

Desagravo. (Da série Poesia numa Hora Destas?!)

Mulher, é verdade:

você partiu meu coração.

Negue à vontade,

diga "é bobagem"...

A autópsia me dará razão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.