'Ele foi o pensador de uma arte nacional, diz Guel Arraes

Diretor de 'O Auto da Compadecida' conviveu com Ariano Suassuna desde a juventude

João Fernando, O Estado de S. Paulo

23 de julho de 2014 | 20h44

Diretor da adaptação de O Auto da Compadecida para a TV e para o cinema, Guel Arraes tem lembranças antigas de do escritor paraibano. "Eu conheci Ariano desde menino e o encontrei várias vezes ao longo de todo esse tempo. Admiro-o duplamente, pelo grande artista que ele é e pela forma como levou sua vida sempre, coerente com sua forma de pensar, com suas convicções. Ele viveu sua obra e sua obra é a transfiguração de sua vida", declarou ao Estado.

Para Arraes, o autor deu um tratamento especial à cultura do País. "Ariano é um erudito que pensou e recriou a arte popular brasileira. Um autor universal, mas que sempre viveu simplesmente, perto de suas raízes e perto do povo, conversando com ele. Ariano foi um humanista brasileiro. Além de um grande escritor, foi também o pensador de uma arte nacional, e um pensador do nosso País como um todo. A literatura foi o seu ponto de partida, mas isso se expandia por outras áreas."

O diretor afirma que não há substituto para o escritor? “A gente fica muito mais pobre. Quem tem essa cabeça e esse conhecimento para pensar com tanta amplidão o Brasil? Minha admiração é tanto pela vida quanto pela obra dele.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.