Beto Figueiroa/Divulgação
Beto Figueiroa/Divulgação

Elba Ramalho lança CD de 30 anos de carreira em SP

Elba, que completa 60 anos em agosto, comemora êxitos da carreira

AE, Agência Estado

03 de fevereiro de 2011 | 08h33

Elba Ramalho reuniu em março do ano passado mais de 100 mil pessoas na praça do Marco Zero, centro histórico do Recife, para comemorar 30 anos de carreira e gravar um DVD/CD ao vivo. O número redondo era meramente simbólico, já que a cantora lançou o primeiro álbum, Ave de Prata, em 1979, e iniciou as atividades artísticas no teatro, antes da música. Nomes fundamentais na história artística de Elba, que completa 60 anos em agosto, compareceram ao show no Recife, entre eles Zé Ramalho e Geraldo Azevedo. Lenine, Chico César, Alcione e o maestro Spok também marcaram presença na festa. Nos shows que Elba traz a São Paulo a partir de hoje não será possível contar com nenhum desses convidados, mas a celebração continua.

Naturalmente, há uma grande diferença entre cantar para uma multidão e interpretar o mesmo repertório na dimensão reduzida de um teatro. Mas Elba é escolada em dominar qualquer tipo de plateia, fazendo algumas mudanças no roteiro do show. "O público de São Paulo é sempre muito receptivo a tudo", observa. Clássicos de seu repertório, como Leão do Norte (Lenine/Paulo César Pinheiro), Chão de Giz (Zé Ramalho) e De Volta pro Aconchego (Dominguinhos/Nando Cordel) batem ponto.

"Mas também vou cantar Canção da Despedida (Geraldo Azevedo/Geraldo Vandré) e algumas músicas de Chico Buarque, que não estão no DVD", diz a cantora. "A gente sempre inventa, né? É uma história longa, de 30 anos, então tem muita coisa lá, esquecida, que a gente às vezes lembra e quer fazer. Mas vou tentar manter algumas coisas que são bacanas e estão no DVD. Acho que as pessoas, mesmo sentadas num teatro, vão esperando essa verve, essa alegria que tem no meu trabalho também. O público vai sabendo que vou cantar forró e gosta de cantar junto."

Nessas três décadas, marcadas por muitos êxitos populares, muita água rolou na trajetória de Elba. Mas o que fica bem claro - e confirmado no registro do show repleto de baião, xaxado, frevo, ciranda, coco, toada - é a firmeza com que a cantora e atriz paraibana se mantém ligada às origens nordestinas e seu manancial de riquezas musicais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Elba Ramalho - Sesc Vila Mariana (Rua Pelotas, 141). Telefone (011) 5080-3000. 5ª a sáb., às 21 h; dom., às 18 h. R$ 40.

Tudo o que sabemos sobre:
músicaElba RamalhoshowSesc

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.