"Efeito Urtigão" estréia amanhã no Ágora

Um jornalista que, cansado da mediocridade da mídia, isola-se no mato é o principal personagem de Efeito Urtigão, peça do ator, diretor e dramaturgo Mário Bortolotto que estréia amanhã no Teatro Ágora. É a primeira de uma série. Na próxima semana, será a vez de estrear Felizes para Sempre, espetáculo integrado por dois textos curtos, Speak Easy e Sweet Emily.Muito para um só autor? Pouco para o sempre inquieto Bortolotto que, a partir do dia 18, vai levar ao Centro Cultural São Paulo um repertório de 14 peças. "Ganhei o direito de ocupar o porão do CCSP por três meses e seria um desperdício apresentar uma única peça", observa Bortolotto. O CCSP pertence à prefeitura e não cobra aluguel das produções para ocupação dos espaços teatrais.A indignação contra um jornalismo despersonalizado, pautado pela indústria cultural, escravizado pelo leitor "médio" e tiranizado por manuais de redação leva o talentoso e rebelde Emerson a abandonar a profissão e isolar-se com seu cachorro num sítio, na peça Efeito Urtigão. Quando até o "melhor amigo do homem" o abandona, resta o uísque, bem definido pelo poeta Vinícius de Morais como o "cachorro engarrafado".Os espetáculos de Bortolotto figuram entre os raros nos quais ainda se ouve frases politicamente incorretas, elogiou a crítica na estréia de Efeito Urtigão no Festival Internacional de Londrina deste ano. Realmente, Bortolotto não poupa nada e ninguém nos contundentes diálogos entre Emerson, que ele próprio interpreta, e o também jornalista Marcos (Joeli Pimentel), que, aparentemente, vai até o sítio em busca de notícias sobre o velho amigo."Emerson é talentoso, mas é o primeiro a definir-se com um perdedor, um cara difícil de conviver", diz Bortolotto. Quando o amigo pergunta por que ele foi abandonado pela mulher, Emerson responde que ela tinha o direito de buscar o melhor para a sua vida. Em suas peças, Bortolotto toca nas questões sociais, econômicas e políticas, mas o tema que realmente persegue são as sempre difíceis relações afetivas.Em Efeito Urtigão, o conflito central está mesmo na ambígua relação entre Marcos e Emerson, o primeiro um jornalista sem talento, que tenta fazer a reportagem de sua vida. "Eles acabam realizando um acerto de contas há muito desejado".OutrasA relação homem/mulher é tema das duas peças de Felizes para Sempre. Em Speak Easy, Ana Kutner interpreta Lúcia, uma mulher "maluquinha", que passa três dias fora de casa. Ao voltar, encontra o companheiro Pedro (Pimentel) que há três dias a espera bebendo. "Em geral, peças sobre relacionamento amoroso retratam personagens de classe média; meus personagens são gente sem grana", afirma. Segundo ele, a dificuldade de afeição pode não ser muito diferente, mas esses personagens permitem aprofundar o tema sem cair na obviedade, no lugar comum. "Pedro e Lúcia são um casal emocionalmente desestabilizado, mas que se ama muito".Bortolotto e sua mulher, a atriz Fernanda d´Umbra, interpretam o casal de Sweet Emily, ele um ex-pugilista alcoólatra, frustrado em suas veleidades literárias, casado com a doce Emily. "Ele escreveu um livro nunca publicado que só ela leu e gostou", diz Bortolotto. "Ele gosta dela, mas briga o tempo inteiro", diz. As três peças têm encenação despojada, centrada nos atores e no texto. Bortolotto observa que, atualmente, está mais fácil conseguir apoio para uma grande e cara produção, do que para um espetáculo simples. Os pesados custos de produção, entre eles o alto valor do aluguel de espaços teatrais, acaba influenciando na produção."Fica todo mundo correndo atrás de uma produção bonitinha e de textos fáceis, que satisfaçam o gosto médio", observa. O resultado, ressalta, é que todos perdem com isso. "O público nem sabe que está perdendo", comenta. "Fora da facilidade, tem o teatro de vanguarda, com conflitos que não interessam a ninguém, chato para caramba", afirma."Se a gente bobear, a mediocridade toma conta de tudo; o teatro tem de ser o espaço da resistência - da contundência". O pessimismo, ou realismo, não tirou o humor do dramaturgo Bortolotto. "Sempre tem humor, mesmo nas situações mais sórdidas; cáustico, mas humor". "Efeito Urtigão" (estréia amanhã) e "Felizes para Sempre" (estréia 29/6). Textos e direção de Mário Bortolotto. Duração: 50 minutos.De quinta a sábado, às 21 horas; domingo, às 18 horas. Ágora. Rua Rui Barbosa, 672, tel. 284-0290

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.