Edward Norton está no Brasil para Rio+20 e divulga filme

Edward Norton chegou ao Brasil na segunda-feira para participar da Rio+20. O astro é embaixador da ONU para assuntos de biodiversidade e, como tal, participa de painéis discutindo questões como a economia verde e seus benefícios para preservação da fauna e flora. A empresa Paramount aproveita sua presença no País para divulgar "O Legado Bourne", que estreia só em agosto.

AE, Agência Estado

20 de junho de 2012 | 10h12

O novo longa da série não é estrelado por Matt Damon, mas por Jeremy Renner, cooptado pela mesma agência que transformou Bourne em máquina de matar. Norton preside uma agência obscura, o poder por trás do poder. Ele explica por que quis fazer o papel. "Tony Gilroy ajudou a formatar a série escrevendo os filmes e depois virou diretor de longas bastante críticos sobre o poder na América. É algo que me interessa discutir por meio dos filmes." A reportagem assistiu ao trailer. As cenas são excitantes. O que Norton pensa disso? "A cenas são realmente muito boas, mas o que me excita mais é a personalidade crítica do diretor."

Sobre seu papel como embaixador da ONU, Norton conta que a preparação começou em casa. "Meu pai já era ecologista antes que o conceito se generalizasse. Tive sempre o seu exemplo de conservacionista, preocupado com o meio ambiente. A biodiversidade é algo para a maioria das pessoas, mas se ocupa do equilíbrio na questão ambiental. Como as espécies, a fauna e flora, sobrevivem num planeta ameaçado? Cientistas muitas vezes falam uma língua própria, têm dificuldade de se comunicar com pessoas como você e eu. É preciso trazer as grandes indagações para as pessoas comuns, e é aí que eu entro. Modéstia à parte, sou um bom contador de histórias."

Que tipo de histórias? "Trabalhei muito tempo num projeto conservacionista no Quênia. O país não é como o Brasil, não possui uma Amazônia, mas tem santuários para preservação da fauna, por exemplo. O problema é o que ocorre fora dessas reservas. Nosso projeto investia na responsabilidade comunitária. Não existe conservação sem participação nem responsabilidade das pessoas." Existe o Edward Norton ator, de filmes como "Clube da Luta", "Hulk", etc. Entra em cena agora o cidadão, o militante das boas causas ambientais. Como o cinema pode ajudar na conscientização? "Nos últimos anos surgiram documentários de muito boa qualidade. É uma maneira de equilibrar o ímpeto consumista da produção de Hollywood. O consumismo não favorece a sustentabilidade e, sem ela, não há solução." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaEdward Norton

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.