Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Guga Melgar/ Divulgação
Guga Melgar/ Divulgação

Ednei Giovenazzi completa seis décadas no palco

Ele diz que se identifica com o ator que vive em ‘O Canto do Cisne’

30 de dezembro de 2013 | 16h10

Há aproximações evidentes entre Ednei Giovenazzi e Vassíli Vassílitch Svetlovíd, seu personagem na montagem de O Canto do Cisne, que estreia nesta sexta-feira, no Espaço Sesc, em Copacabana, no Rio. Basta dizer que ambos são atores e pertencem à mesma faixa etária (Ednei tem 83 anos e Vassíli, 78). “Quando ele fala de seus 78 anos, eu revejo toda a minha vida. É claro que eu não sou o personagem. Mas tenho facilidade em compreendê-lo”, afirma Giovenazzi, que, com esse trabalho, comemora 60 anos de carreira.

O percurso de Vassíli é quase tão extenso quanto o de Giovenazzi. O personagem soma 55 anos de estrada, estágio em que evoca os instantes mais relevantes de sua trajetória profissional. O Canto do Cisne marca um novo encontro de Giovenazzi com a obra de Anton Chekhov, autor que o ator visitou anteriormente numa montagem de Jorge Takla para O Jardim das Cerejeiras. O projeto nasceu de um desejo de Edmundo Lippi de realizar um espetáculo a partir da junção de três textos de Chekhov.

No entanto, Giovenazzi, que produz com Lippi, preferiu concentrar os esforços em O Canto do Cisne. A direção ficou a cargo de José Henrique, que, durante o processo, trouxe fotos de atores da passagem do século 18 para o 19. Assim, ao mesmo tempo em que aproveitou a proximidade com o personagem inserindo, inclusive, textos que já montou (como O Mercador de Veneza, de William Shakespeare), Giovenazzi foi levado a entrar em contato com um registro interpretativo diverso do seu.

“Eu sou um ator contido, que procura expressar o máximo através da simplicidade. Sou influenciado por Stanislavski”, declara Giovenazzi, referindo-se ao diretor e ator que concebeu um método que revolucionou o ofício do ator no século 20. E Giovenazzi dedica o espetáculo a um artista que atravessou os momentos mais emblemáticos do teatro brasileiro na segunda metade do século 20: Sergio Britto, que planejava encenar O Canto do Cisne. “Sinto admiração por ele, que foi de uma dedicação absoluta ao teatro”, elogia.

Apresentado na recente edição do Festival Internacional de Teatro de Angra (Fita), O Canto do Cisne saiu de lá vencedor na categoria Prêmio Especial do Júri (para Giovenazzi, “por reafirmar sua paixão pelo teatro em O Canto do Cisne, de Anton Chekhov”) e concorreu em outras duas – ator coadjuvante (Pietro Mário, que interpreta o Ponto) e figurino (Samuel Abranches). A montagem fez temporada de um mês em São Paulo, no Teatro Eva Herz, programado pelo ator Dan Stulbach. “Ele soube da minha desesperada busca por espaço e conseguiu uma brecha na pauta”, informa.

Não foi fácil levantar a produção de O Canto do Cisne. Giovenazzi recebeu a providencial ajuda de seu sobrinho, Carlos Clementino Filho, que patrocinou o espetáculo por meio de sua empresa, a Engepar. “Este tipo de iniciativa é que torna possível a prática teatral. O governo não faz nada pelo teatro. Há uma fachada de auxílio, que, porém, não resolve. A Lei Rouanet salva a pátria. Em São Paulo, tive que abrir mão do meu salário. Eu pude fazer isto. Nem todo mundo pode – e nem tem obrigação”, realça Giovenazzi, que menciona a perda de espaços no Rio. “O Teatro Glória foi destruído pelo Eike Batista. E não entendo porque o Teatro Copacabana não reabre”, destaca.

Mas as dificuldades não ameaçam a resistência de Giovenazzi. Nos últimos anos, fez trabalhos de peso – Molly Sweeney, um Rastro de Luz, de Brian Friel (direção de Celso Nunes), e Mary Stuart, de Friedrich Schiller (direção de Antonio Gilberto), ao lado de Julia Lemmertz, com quem guarda vínculo inquebrantável. Giovenazzi era muito ligado aos pais de Julia, Lilian Lemmertz e Linneu Dias, e conheceu-a criança. “Eu não fiz teatro com os meus pais, mas, em compensação, dividi a cena com Giovenazzi. Eu o chamo de tio até hoje. Na nossa montagem, ele fez o papel do confessor, que foi do meu pai no espetáculo da companhia Teatro Cacilda Becker (TCB)”, lembra Julia Lemmertz.

Dentista. Giovenazzi foi o primeiro dentista de Julia. Formado em odontologia, exerceu a profissão durante um bom tempo. “Eu credito a ele o fato de nunca ter sentido medo de dentista”, diz a atriz. O ator traz à tona o período em que se desdobrou entre as atividades. “Eu tinha dez anos de consultório, conciliando com serviço público e teatro. Não por acaso, adoeci. Meu pai ficou preocupado. Ele perguntou: ‘o que é teatro para você?’ Eu disse: ‘paixão e amor’. Ele falou: ‘então, vá fazer o que gosta’. Na verdade, eu gostava de odontologia, mas ainda mais de teatro”, relata.

Paulista de Pederneiras, o ator construiu uma vida artística intensa. Na televisão, firmou parcerias com Janete Clair e Walther Negrão. No teatro, participou de montagens como Sorocaba, Senhor, a partir de Lope de Vega, sob a direção de Antonio Abujamra. No Teatro Oficina, substituiu Fauzi Arap em Andorra, de Max Frisch, e esteve em Os Inimigos, de Máximo Gorki, ambos sob o comando de José Celso Martinez Corrêa. Fez outras substituições, de Raul Cortez, em Zoo Story, de Edward Albee, montagem de Emilio Fontana, e de Paulo Autran, em Equus, de Peter Shaffer, encenação de Celso Nunes.

Também trabalhou com Martin Gonçalves numa versão de O Balcão, de Jean Genet. “Na época, eu gravava uma novela. Na estreia, pedi ao diretor para sair mais cedo. O dia passava e ele não me liberava. Fiquei tão nervoso que perdi a voz. No teatro, Carlos Vereza me deu um copo de leite morno e a voz voltou. Não foi o leite e sim o gesto”, frisa Giovenazzi, que também marcou presença em Hedda Gabler, de Henrik Ibsen, espetáculo de Gilles Gwizdek protagonizado por Dina Sfat, Descalços no Parque, montagem de Ricardo Waddington para a peça de Neil Simon, Capitu, versão de Marcus Vinicius Faustini para Dom Casmurro, de Machado de Assis, e A Visita da Velha Senhora, de Friedrich Dürrenmatt, com Tônia Carrero.

Nesta última, entrou para a temporada paulistana e recebeu auxílio da atriz Ivone Hoffmann, assistente de direção de Moacyr Góes. “Eu precisei fazer todos os personagens ao ensaiá-lo. Não deve ter sido fácil para ele. Mas foi uma experiência preciosa”, avalia Ivone, que conhecia Giovenazzi desde meados da década de 1960. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.