'É uma criatura poderosa que não tem medo de nada'

Assim a alemã Antje Traue descreve a personagem Faora Ul de Homem de Aço, que deve estrear no Brasil em 11/7

IAN SPELLING, NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2013 | 02h11

Antje Traue respira fundo e começa a explicar por que ficou tão entusiasmada em atuar em Homem de Aço, o amplamente anunciado "reboot" da franquia Superman, que deve estrear no Brasil no dia 11 de julho. "Adorei a ideia de representar uma pessoa vinda de outro planeta", diz a atriz alemã. "Também soube quem estava envolvido no projeto, e trabalhar com gente tão talentosa - com um elenco desses e com o Zack Snyder dirigindo e o Chris Nolan e o Charles Roven produzindo e David Goyer no roteiro - puxa, não pensei duas vezes.

"E vou contar uma coisa: ler o roteiro foi uma experiência parecida com sair com um cara que você nunca viu na vida", acrescenta ela, rindo. "Eles me levaram para uma sala, tive de deixar todas as minhas coisas do lado de fora, e aí me trancaram lá dentro. Me deram quatro horas pra ler tudo. Eu queria me apaixonar pela Faora Ul, o personagem que faço, enquanto estivesse lendo o roteiro - e foi exatamente o que aconteceu. É uma criatura poderosíssima", continua Traue. "É o braço direito do general Zod, está sempre do lado dele, foi muito legal. É uma guerreira fantástica, totalmente concentrada, e não tem medo de nada. O lance dela é violência. Foi assim que a criaram."

Fora da Alemanha, Traue é mais conhecida por sua participação em Padorum (2008), um misto de terror e ficção científica. Falando por telefone de um hotel em Los Angeles, a atriz de 32 anos admite que era uma neófita em Superman e que se apoiou em Snyder e no roteiro para se orientar.

A história gira em torno de Kal-El, um bebê kryptoniano que é posto pelos pais (Russell Crowe e Ayelet Zuere) num foguete, momentos antes de seu planeta ser destruído. A cápsula espacial com a criança vem parar na Terra, e aqui ele é adotado e criado pelos Kents (Kevin Costner e Diane Lane) como se fosse seu filho: Clark Kent (Henry Cavill).

Dotado de poderes inconcebíveis sob o sol amarelo do nosso planeta, ele se torna o herói Superman. Durante algum tempo, Kent é o ser mais poderoso do mundo, mas isso termina quando um grupo de kryptonianos, entre os quais se encontram o general Zod (Michael Shannon) e Faora, chega à Terra na Black Zero, sua nave. A maldade do grupo tem as mesmas dimensões titânicas que caracterizam a integridade e a generosidade do Superman, e são igualmente poderosas. Seu aparecimento ameaça a existência de tudo o que é mais caro ao super-herói.

Como seria de esperar, os atores com os quais Traue mais contracena no filme são Shannon e Cavill. E ela cobre os dois de elogios. "Para mim, além de excelente ator, o Michael Shannon é um homem e tanto", diz a atriz. "Pelo que as pessoas falavam, eu imaginava que ele fosse muito sério, um cara que intimidasse a gente. Mas o que eu conheci foi um homem tremendamente criativo, extremamente carinhoso e muito engraçado. Comigo, pelo menos, foi o oposto do que muitas pessoas dizem que ele é. Não sei como explicar, mas quando o Michael chegava ao set, as pessoas ficavam na maior agitação. Dava para você perceber que aquele general Zod carregava o destino de Krypton nos ombros. Não teve um dia que não tenha sido bom trabalhar com ele nesse filme."

"E o Henry, às vezes as pessoas não percebem as coisas de que você precisa para fazer um papel como o do Superman", prossegue ela. "Você tem que ter uma certa atitude pra entrar num personagem assim. E o Henry tem um talento incrível. É um cara muito determinado, rápido, cativante. Além do mais, é um homem bonito, e isso ajuda. É o Superman perfeito."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.