E não faltou um recado para Obama

Na conversa com a imprensa, depois de receber o Oscar de atriz coadjuvante, Melissa Leo, de O Vencedor, comentou o palavrão pronunciado em seu discurso. "Não, não fui tomada pelo meu personagem quando agradeci o prêmio. Esse é o meu vocabulário habitual. Espero, enfim, não ter ofendido ninguém. Sei que o local era impróprio."

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2011 | 00h00

Já Aron Sorkin rebateu críticas ao roteiro de A Rede Social. "Não fiz um roteiro que favorecesse ninguém. Apenas contei a história de um garoto que ficou milionário antes dos 20 anos." Vencedor na categoria de melhor filme longa-metragem de animação por Toy Story 3, Lee Unkrish comemorou a atenção dada pela Academia ao gênero. "O fato de Toy Story 3 estar indicado em duas categorias - além de melhor animação, também melhor filme - indica que, logo, uma animação poderá ser eleita a melhor produção do ano", disse.

Christian Bale, melhor ator coadjuvante por O Vencedor, dividiu a estatueta com o diretor do filme. "O grande mérito da direção de David O. Russell foi transmitir toda a complexidade de meu personagem", disse. Perguntado sobre sua participação na série Batman, não pensou duas vezes. "Batman? Sim, ainda farei muitos filmes como ele."

Vencedor na categoria em que concorria Lixo Extraordinário (o mais próximo que o Brasil chegou de um prêmio nesta edição da premiação), o diretor Charles Ferguson, de Trabalho Interno, mandou recado ao governo americano: "Minha maior decepção é que ninguém do governo Obama quis dar entrevista enquanto eu filmava. Esse é o grande problema: ninguém no governo quer enfrentar os investidores."

Tapete vermelho. Os brasileiros deram exemplo ao chegar para a cerimônia do Oscar: todos usavam roupas com detalhes reciclados. "Fizemos no Jardim Gramacho", disse o reciclador Tião dos Santos que, como o artista plástico Vik Muniz, personagens do documentário Lixo Extraordinário, usava na lapela uma flor feita com material de garrafa pet. O espetáculo do tapete vermelho encantou os dois. "Não vi a Angelina Jolie como queria, mas vi a Sharon Stone", brincou Tião.

ENVIADO ESPECIAL

LOS ANGELES

Na conversa com a imprensa, depois de receber o Oscar de atriz coadjuvante, Melissa Leo, de O Vencedor, comentou o palavrão pronunciado em seu discurso. "Não, não fui tomada pelo meu personagem quando agradeci o prêmio. Esse é o meu vocabulário habitual. Espero, enfim, não ter ofendido ninguém. Sei que o local era impróprio."

Já Aron Sorkin rebateu críticas ao roteiro de A Rede Social. "Não fiz um roteiro que favorecesse ninguém. Apenas contei a história de um garoto que ficou milionário antes dos 20 anos." Vencedor na categoria de melhor filme longa-metragem de animação por Toy Story 3, Lee Unkrish comemorou a atenção dada pela Academia ao gênero. "O fato de Toy Story 3 estar indicado em duas categorias - além de melhor animação, também melhor filme - indica que, logo, uma animação poderá ser eleita a melhor produção do ano", disse.

Christian Bale, melhor ator coadjuvante por O Vencedor, dividiu a estatueta com o diretor do filme. "O grande mérito da direção de David O. Russell foi transmitir toda a complexidade de meu personagem", disse. Perguntado sobre sua participação na série Batman, não pensou duas vezes. "Batman? Sim, ainda farei muitos filmes como ele."

Vencedor na categoria em que concorria Lixo Extraordinário (o mais próximo que o Brasil chegou de um prêmio nesta edição da premiação), o diretor Charles Ferguson, de Trabalho Interno, mandou recado ao governo americano: "Minha maior decepção é que ninguém do governo Obama quis dar entrevista enquanto eu filmava. Esse é o grande problema: ninguém no governo quer enfrentar os investidores."

Tapete vermelho. Os brasileiros deram exemplo ao chegar para a cerimônia do Oscar: todos usavam roupas com detalhes reciclados. "Fizemos no Jardim Gramacho", disse o reciclador Tião dos Santos que, como o artista plástico Vik Muniz, personagens do documentário Lixo Extraordinário, usava na lapela uma flor feita com material de garrafa pet. O espetáculo do tapete vermelho encantou os dois. "Não vi a Angelina Jolie como queria, mas vi a Sharon Stone", brincou Tião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.