E da dor surge o grande Invisible

Forte candidato a se tornar um dos discos do ano, Rispah tem o efeito que pouca gente é capaz de produzir. Um misto de estranhamento e graça. Não é para tocar nas FMs, mas pode virar objeto de culto entre indies interessados, roqueiros heterodoxos e, claro, em boa parte da crítica especializada mundo afora. Na Inglaterra, o novo filhote do primo de primeiro grau do Radiohead foi recebido com entusiasmo. "Um conjunto de contemplação e catarse", definiu a BBC.

EMANUEL BOMFIM, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2012 | 03h10

O vanguardismo do momento atende pelo nome de The Invisible. O próprio título já é uma referência cult, ao homenagear um dos trabalhos do filósofo e poeta irlandês John O'Donohue. Fixado em Londres, o trio está na ativa desde 2006, mas tem vida em comum há mais tempo.

Dave Okumu (vocais e guitarra), Tom Herbert (baixo e sintetizadores) e Leo Taylor (bateria) são amigos desde a adolescência. Costumavam se encontrar ocasionalmente em estúdios, porém nunca cogitaram montar oficialmente um grupo. Tanto é que sustentam até hoje inúmeros projetos paralelos. Herbert, por exemplo, integra a banda de jazz experimental Polar Bear. Taylor gravou com Adele no multiplatinado 21. Okumu produz a charmosa Jessie Ware. A lista de colaborações ainda inclui nomes como Jack De Johnette, Tony Allen, Hot Chip, Tracey Thorn e Chaka Khan - só para citar os mais ilustres.

O Invisible nasceu da perspectiva de Okumu gravar um disco solo, a convite do produtor Matthew Herbert, com quem costumava tocar. Na época, o austríaco filho de imigrantes quenianos era visto como promessa de renovação no jazz. Mas antes de assumir o estereótipo, preferiu contemplar os amigos num projeto musical colaborativo que deu o que falar desde os primeiros acordes. "Minha maior inspiração sempre foram os meus colegas", revela o músico em conversa com o Estado. Homônimo, o primeiro álbum dos três foi lançado em 2009 e logo abocanhou vários prêmios, como o Mercury Prize, além de ser considerado o disco do ano pelo iTunes.

Três anos depois do festejado debut, o space pop do Invisible não perdeu em ousadia e ganhou em profundidade. Nas primeiras semanas de gravações de Rispah, a mãe de Okumu morreu, transformando radicalmente os rumos das novas composições. "O disco é uma carta de amor sobre o sofrimento", declarou o filho antes do lançamento oficial, em junho.

Até a experiência vivida por ele no velório ganhou espaço na ambientação de algumas faixas. Okumu registrou o cântico religioso, os tais "spirituals" africanos, entoado pelas amigas de sua mãe. "O funeral foi muito comovente e centenas de pessoas passaram por nossa casa no Quênia para dizer adeus. Foi também o momento em que meu amor pela música se restaurou."

O vocalista admite ter ficado com receio de extravasar sentimentos tão íntimos em novas canções, mas tinha em si o ímpeto necessário para manter-se criativo: a autenticidade. "O músico é chamado a ser o mais verdadeiro possível. É assim que as coisas se tornam realmente universais."

Rispah, nome de sua mãe, é, de fato, um convite à melancolia. Mas não é um disco de cortar os pulsos. Na poética etérea do Invisible, a textura é trabalhada à exaustão, com guitarras em arpeggio, bateria de evocação jazzística e estrutura eletrônica abstrata, quase nada pop. "Nossas experiências de tocar em diferentes projetos, de gêneros distintos têm cultivado uma dimensão de livre pensamento para a abordagem do nosso som. Suponho que o espírito de improvisação aponta caminhos para nossas criações", explica Okumu.

Não bastasse a perda recente da mãe, o líder do Invisible por pouco não fritou em cima de um palco. Em maio, a banda estava em Lagos, na Nigéria, para um show com artistas locais, incluindo o ícone da world music, King Sunny Adé. Num certo momento, Okumu levou um terrível choque elétrico por mau funcionamento do baixo. A forte corrente que passou por seu corpo fez quebrar sua perna em dois lugares.

"Fiquei consciente durante todo o choque. Quando percebi o que estava acontecendo, tentei arremessar o instrumento, mas a força da corrente o mantinha preso em meu corpo. O baixo estava queimando em minha mão. Eu tentava falar, mas só gritava de agonia. Achei que não ia sobreviver."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.