''É a história da Cinderella Trash''

Marcus Baldini descobriu Bruna Surfistinha, a garota e o livro, antes mesmo de chegar às livrarias. Amigo de Jorge Tarquini, o jornalista com quem Raquel Pacheco escreveu o best seller O Doce Veneno do Escorpião, que vendeu 250mil cópias, viu na história da garota de classe média alta que se torna prostituta para alcançar sua independência a possibilidade de um sucesso nas telas. "O grande desafio era fazer um filme capaz de entreter, mas que não deixasse de trazer uma reflexão." Ao mesmo tempo, fez um filme feminino. "Engraçado que você e outras mulheres estão dizendo isso. Fico feliz. De fato resolvi me atentar às razões dela. Sou fascinado pela amoralidade da Raquel. E quis desde sempre entender esta garota que quer achar seu lugar no mundo. É a própria história da Cinderella Trash", conta ele, que tem longa carreira em direção de videoclipes e filmes publicitários. Já a direção de atores o preocupou quando decidiu dirigir seu primeiro filme. Para entender melhor "o lugar do ator", fez curso de atuação com Fátima Toledo. "Sempre quis fazer um filme de ator, em que a Deborah estivesse em todas as cenas, que tudo fosse do ponto de vista dela. Das cenas de sexo ao blog, é pelos olhos de Bruna que a história é contada."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.