DVD reúne obras dos melhores poetas do Brasil

Poesia é uma tradição singular, que faz parte da vida de todos nós, diz o bibliófilo José Mindlin na apresentação de Florividilégio, a primeira antologia da poesia brasileira em vídeo, ou melhor, em DVD. Organizada pelo professor da Universidade de Brasília Ricardo Araújo, a coletânea traz 147 poemas, lidos por 56 personalidades da cultura brasileira. Nomes como Antonio Candido, Gilberto Gil, Jean-Claude Bernardet, Décio Pignatari entre outros marcam presença.Os períodos literários foram organizados em três DVDs, divididos da seguinte maneira: o número 1 aborda do colonial ao parnasianismo, o segundo vai do simbolismo ao modernismo e, por fim, o terceiro trata da Geração de 45 até a poesia dos dias de hoje. Tanto os períodos referidos como os poetas são apresentados por críticos, professores ou especialistas, que oferecem informações básicas sobre os movimentos literários, o que funciona como uma introdução à leitura dos poemas.Florividilégio é um neologismo criado por Ricardo Araújo e Soraia Silva. O significado dessa curiosa palavra nasceu da junção da palavra florilégio, sinônimo de antologia de poesia, com a palavra vídeo, em suma, o resumo do projeto. Esse trabalho nasceu em 1999, com Araújo. "Eu queria fazer um apanhado, uma seleção da poesia brasileira e, no primeiro momento, não pensei em vídeo. Com o tempo, achei que era pouco, ou muito semelhante a muitas antologias que tinham sido feitas muito tempo atrás ou àquelas que estavam saindo no momento. Então surgiu a idéia de fazer algo diferente: primeiro pensei no vídeo, depois no CD-ROM, por fim, acabei juntando as duas coisas no DVD", diz. Como ele mesmo observa, a proposta era fazer uma antologia diferente, nova e atrativa.Como o caminho é inovar, poemas e poetas são destacados por vinhetas, assinadas por Jansen Lira Rojas. A trilha sonora é de Cid Campos. A edição de imagens é não-linear, além disso, boa parte do vídeo foi rodado em primeiro plano. A proposta é divulgar a poesia brasileira aos brasileiros e, porque não, ao mundo. A intenção dos organizadores é distribuir Florividilégio em escolas, bibliotecas, faculdades, centros culturais e embaixadas, apesar do sistema de distribuição ainda não estar definido. "Nosso objetivo é buscado por todos os livros ou todos os meios de divulgação do conhecimento: fazer-se conhecer para dar conhecimento, aliar uma forma didática não redutora a uma forma de inteligência extraordinária, levar poesia para quem quer e gosta de poesia."Estrutura - Os organizadores contam a história da poesia brasileira, a começar com o período colonial, na figura de José de Anchieta. Gregório de Matos é lembrado como o poeta de toda uma época no Brasil, o grande destaque do barroco, e Manuel da Costa como o introdutor do arcadismo no País. Vale destacar, ainda, a leitura dos poemas do romantismo e do modernismo. "A seleção dos textos e dos poetas não se desenvolve de forma tão cartesiana como sugerem alguns pequenos doutores. Ela passa por um processo, por criação, então nunca é retilínea. Tudo o que é editado, que sofre processo de transformação passa por mudanças, em outras palavras, trata-se de um processo aberto", observa Araújo.Segundo ele, havia uma linha mestra que era estudar as principais antologias e muitas das poesias completas. "Queríamos um cânone, desse ponto de vista nossa antologia é muito comum. Ou seja, os poetas e poemas estão em quase todas as boas antologias da poesia brasileira, a diferença é a linguagem da linguagem: colocamos a poesia oral em um meio oral, multimeio." Florividilégio termina sem se esquecer da nova safra de poetas. Nomes como o de Paulo Leminski, Alice Ruiz, Luis Turiba, Moacir Amâncio, que extrai imagens da cultura judaica para lançá-las em suas obras, Régis Bonvicino, Nelson Ascher e Arnaldo Antunes estão presentes no vídeo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.