Dublado ou não

Expansão da TV paga incentiva dublagem, mas boa parte dos canais já tem dupla opção de áudio

Cristina Padiglione, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2012 | 03h11

Opositores à onda de dublagem nos canais pagos apontam a chegada da classe C ao segmento como diagnóstico para tal tendência. Balela. O TNT, primeiro canal a constatar que assinante de TV também aprecia filme dublado, foi líder em audiência na TV paga durante bons anos, num tempo em que essa clientela se concentrava nas classes A e B. A diversidade de público causada pela entrada da classe média, no entanto, é ponto relevante no esforço de canais pagos e operadoras em oferecer o maior número de opções possível, do dublado ao original com legendas. Afinal, é uma plateia que beira hoje 40 milhões de espectadores.

Muitos assinantes ainda não sabem bem para que servem todas aquelas teclas coloridinhas do controle remoto de sua operadora de TV. Quase 100% deles possuem recursos que, acionados, promovem a troca do áudio de inglês para português. No caso das operadoras de DTH (anteninha 'pizza'), todos os pacotes já são digitais. E o DTH hoje é mais de 50% da base de assinantes. A depender do canal e do programa, o sujeito pode até encontrar na tela a tão cobiçada legenda - no caso dos pacotes digitais, a legenda eletrônica é uma versão ainda mais acessível.

O dublado TNT trabalha no momento com as melhores intenções para promover legendas eletrônicas na 2ª temporada de Os Bórgias, superprodução que teve sua 1ª temporada vista pelo TCM, outro canal da Turner. O TNT ainda não confirma o feito, mas, se as legendas não vingarem, é certo que será possível trocar o áudio dublado pelo original. Estreia em maio.

Segundo o vice-presidente da Turner International no Brasil, Anthony Doyle, todos os canais do grupo caminham para oferecer opções dubladas e originais com legendas. As exceções são os infantis Cartoon e Tooncast, e a CNN, canal ao vivo.

Para Doyle, a questão da dublagem vai muito além da classe C. Ele põe na balança o fato de as TVs de tubo, maioria esmagadora há dez anos, possuírem telas mais estreitas, onde as legendas obstruíam consideravelmente a imagem. A TV do tipo plasma, com tela mais larga, é mais favorável a legendas. "E as pessoas podem gostar muito de ver filme legendado no cinema, mas ver filme em casa não é a mesma coisa", completa. "O telefone toca, alguém passa na sua frente, há vários fatores para roubar a sua atenção. Hoje, com o foco dividido entre TV, celular e internet, isso fica ainda mais acentuado."

É notório que muitas pessoas ainda se envergonhem de admitir que preferem programas dublados. No caso do TNT, o canal partiu para a dublagem duas décadas atrás, tendo apenas metade dos entrevistados de suas pesquisas confessando tal preferência. O mesmo aconteceu com o Telecine quando o grupo começou a projetar o Pipoca, que exibe apenas filmes dublados e é hoje o dono da maior audiência entre os canais Telecine. "As pessoas dizem que gostam de filme legendado, mas alegam que quando estão com os pais, mais velhos, ou com as crianças, preferem dublado", atesta a diretora de marketing do Telecine, Cristina Piloto. Todos os Telecines hoje dispõem de opções legendadas com áudio original e versão dublada, menos o Pipoca, nascido para ser dublado, e o Cult, fiel à legendagem.

Na HBO, a dupla opção também aparece para os canais HBO, HBO HD, HBO PLUS, HBO Plus*e, Max, Max HD, Max Prime, Max Prime*e, e Signature, mas varia de acordo com o programa e a operadora. Já os canais Cinemax, HBO2, HBO Family são dublados, sendo que o Family oferece áudio original sem legenda, que pode ser acionado pela tecla SAP, a depender da operadora de TV.

Sony Spin, TruTV e TruTV HD, Megapix e Megapix HD, além do NatGeo Wild HD também oferecem dupla opção de áudio com legendas. Nos canais Sony, a entrada da classe C aparece como fator decisivo para a oferta de opções dubladas. "Esse público busca entretenimento de qualidade em português e o compromisso da Sony é atender às necessidades de todos os seus assinantes", informa o grupo, por meio de sua assessoria de imprensa.

"Incentivamos os canais a investirem em todas as opções possíveis", diz Márcio Carvalho, diretor de produtos e serviços da Net, maior operadora do País. "Com isso, cresce o upgrade de pacote e os resultados são bons para todo mundo", fala.

Na Sky, segunda maior operadora, a oferta de opções faz bom uso dos recursos oferecidos pelos canais e traz em seu controle remoto até opção pelo 'close caption' disponível em canais abertos. Segundo a diretora de produtos da Sky, Regina Von Zuben, "a chegada da classe C ao segmento de TV por assinatura" aponta para a preferência pelo dublado".

Para quem vai na contramão da dublagem, a boa notícia é que a Warner não pretende abrir mão das legendas nas séries ali exibidas. Até porque um processo de dublagem é invariavelmente mais caro que qualquer trabalho de legendagem.

A quem duvida do interesse da massa pelo bom português "falado", convém conferir a tabela ao lado: dos 16 canais mais vistos na TV paga brasileira em 2011, 18 dispensam legendas.

APARELHO COM TELA DO TIPO PLASMA FAVORECE USO DE LEGENDAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.