Duas fotógrafas no Paço das Artes

Será inaugurada na terça-feira a última exposição do ano da Temporada de Projetos 2000, organizada pelo Paço das Artes como espaço de divulgação e reflexão das novas manifestações artísticas. Nesta edição serão reunidos os trabalhos de Alexandra Pescuma e Del Pilar Sallum, duas artistas de diferentes gerações que utilizam a fotografia como linguagem para refletir sobre a identidade e a imagem do corpo humano.Além da linguagem fotográfica, o trabalho das artistas têm em comum o fato de lidarem com os mistérios e ambigüidades da imagem. Alexandra Pescuma, de 22 anos, mostra 43 retratos de crianças, com as cores invertidas e sobre os quais aplica máscaras de palhaços. O que num primeiro momento parece indicar um trabalho alegremente açucarado resulta, na verdade, numa série de imagens padronizadas e tristonhas, que aludem à terrível situação de milhares de crianças no País.Já Del Pilar Sallum, de 48 anos, descola-se de maneira mais radical da realidade, brincando com a percepção do espectador. Ela parte de fotografias de detalhes do corpo, como as dobras das mãos, e os retrabalha em computador, transformando o que é dificilmente identificável em algo completamente abstrato e desconcertante. Abstrato e, no entanto, absolutamente reconhecível como algo intimamente relacionado ao corpo humano. O fato de essas imagens serem reproduzidas em tótens de grande escala (com quase dois metros de altura e em torno dos quais o espectador pode circular) só ampliam esse estranhamento. Como esclarece Cristiana Mazzucchelli, "são imagens figurativas demais para serem abstratas - pois nelas a carne é exageradamente eloqüente - e abstratas demais para serem figurativas; impossível precisar qual objeto elas realmente representam".Curiosamente, Alexandra Pescuma - que agora exibe uma pesquisa iniciada em 1999 - já explorou um caminho bastante similar àquele aberto pro Del Pilar. Mas em vez de partir de coisas deste mundo para criar imagens ambíguas, ela seguiu o caminho inverso, construindo imagens concretas e identificáveis, como o estranho "olho", criado por meio da manipulação de elementos aparentemente frios como pedaços de cetim e bolas de vidro, que exibiu há dois anos na mostra de alunos da Faap.Alexandra Pescuma e Del Pilar Sallum. De segunda a sexta, das 13 às 20 horas; sábado e domingo, das 14 às 19 horas. Paço das Artes. Avenida da Universidade, 1, tel. 3814-4832. Até 28/1. Abertura terça, às 20 horas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.