Dramaturgo contrapõe tempos de paz e terror

Sob direção de Ariela Goldmann, osatores Jairo Mattos e Dan Stulbach estarão no palco do TeatroÁgora, somente de amanhã a domingo, para quatroapresentações da peça Novas Diretrizes em Tempos de Paz, deBosco Brasil. "Esse espetáculo foi uma das pérolas colhidas noprojeto Ágora Livre Dramaturgia", diz Roberto Lage, diretor doÁgora.Lage foi um dos organizadores do projeto que de setembroa novembro levou ao palco do Ágora 12 textos inéditos, de 12dramatugos paulistanos. Com o objetivo de provocar uma discussãosobre dramaturgia contemporânea, os autores foram convidados aresponder - por meio de uma peça - algumas perguntas envolvendoo teatro. "Eu tinha escolhido uma das perguntas, mas veio o 11de setembro e a realidade ficou tão forte, que optei pelaindagação ´poderá o mundo de hoje ser reproduzido no teatro?´ eacabou saindo esse texto", comenta Bosco.O texto coloca frente a frente dois personagens numporto brasileiro em 1945. Um deles é um ator polonês (Stulbach),que depois de ter vivenciado os horrores da guerra na Europadeixou de acreditar no força do teatro. Exilado na Inglaterra,aprende português, influenciado por um professor de latim.Apaixona-se pelo idioma e resolve vir ao Brasil para ser agricultor. Masembora a guerra tenha terminado na Europa, os fiscais daalfândega ainda não receberam "as novas diretrizes para ostempos de paz" e ele precisa de um salvo-conduto para entrar noPaís.Assim, o primeiro brasileiro que encontra é um homembrutal, um ex-torturador da polícia de Getúlio Vargas (Mattos),que desconfia de suas mãos sem calos e de seu domínio doportuguês. Ao descobrir sua verdadeira profissão, o embrutecidofiscal lança-lhe um desafio. "Ele terá dez minutos para fazer ofiscal chorar, do contrário voltará no mesmo cargueiro." "O espetáculo tocou profundamente o público naapresentação que fizemos no Ágora Dramaturgia", lembra Ariela."Bosco criou uma fábula, simples, sintética e muito forte."Novas Diretrizes em Tempos de Paz. De Bosco Brasil.Direção Ariela Goldmann. Duração: 40 minutos. De quinta adomingo, às 21 horas. R$ 10,00 (único). Ágora. Rua Rui Barbosa, 672, tel. 3284-0290. Até domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.