Drama infantil conectado à internet

Remake de Chiquititas manterá história exibida no SBT em 1997, mas com tramas ligadas a temas do mundo virtual

JOÃO FERNANDO, O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2013 | 02h07

Casada com o patrão, Silvio Santos, Iris Abravanel bate cartão no SBT toda semana, onde se reúne com a equipe de roteiristas do remake de Chiquititas, com estreia marcada para 15 de julho, às 20h30. Ela, porém, jura que o dono da emissora não se mete em seu trabalho como autora da novela. "Em casa, podemos até dar pitaco. Aqui, temos de ser profissionais. Em casa, ele pode dar o pitaco que quiser", contou ontem, durante a apresentação da trama aos jornalistas, na sede do canal.

A história terá os mesmo elementos da exibida em 1997, quando o SBT coproduziu com a TV argentina Telefe - o enredo gira em torno de um orfanato onde meninas e meninos se metem em confusões. O drama será intercalado com números musicais, alguns gravados em pontos turísticos de São Paulo. "Vamos gravar na ponte estaiada, aquele cartão-postal da Globo", brincou o diretor Reynaldo Boury.

Por ser ambientada nos dias de hoje, a trama teve poucas alterações. "Vamos falar da mudança na vida das crianças, que se envolvem demais com o computador e se esquecem da família. Vai ter blog, essas parafernálias todas. Não dá para deixar de fora, as crianças estão conectadas", avalia Iris. Ao contrário de Carrossel, cujo remake também foi escrito por ela, autora afirma não ter feito muita pesquisa para falar sobre os órfãos. "Trabalhei em uma escola com crianças adotadas, já tenho essa experiência. Em Carrossel, fomos às escolas para ver como as matérias estavam sendo ensinadas."

Com um elenco infantil escolhido por testes, Iris e Boury garantem que não convidaram nenhum ator da primeira edição para participar. "Estou disponível. A RedeTV! libera", interrompeu Renata Del Bianco, atriz do primeiro grupo de Chiquititas, que também participava da entrevista coletiva. Ela é uma das apresentadoras do Morning Show, da RedeTV!. Na trama, ela encarnava a menina Vivi e quis saber de Lívia Inhudes, intérprete da personagem, se ela tinha medo de ter o mesmo destino de Renata. "Não", respondeu.

Com um time de artistas iniciantes, o deslumbramento é uma das preocupações do SBT, que tem uma psicóloga à disposição para os pequenos. "Trouxemos de Carrossel esses profissionais todos que cuidam delas e da família como um todo. Lidar com o sucesso é muito sério. É preciso ter sobriedade para controlar o ego. Essas crianças têm de estar preparadas. Por enquanto, estão dentro do estúdio. Quando for ao ar, vão ser abordadas na rua precisam estar preparadas", reforçou a autora.

O êxito de audiência e de produtos licenciados de Carrossel, que se desdobrou em um desenho animado com os personagens e shows com músicas da novela infantil, gera expectativa em relação a Chiquititas. "Se der os mesmos pontos (no Ibope), vamos ter o mesmo processo", avisa Reynaldo Boury.

Os dois títulos são as principais obras de teledramaturgia para crianças de sucesso na história recente da emissora. Iris, entretanto, conta que ainda não pensa na próxima atração. "Essa programação não depende de mim. Eu obedeço ordens. No SBT, sou uma funcionária como qualquer outra. Tenho de respeitar o comando lá de cima."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.